Transcrição Ex Libris – S01e10

[Cultura] – Por que a ficção científica é atualmente o gênero literário mais importante 

Um historiador, uma sociedade complexa e tecnológica e o entretenimento funcionando como elemento divulgador de conhecimento e educacional. Até dá vontade de ser escritor.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 10º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris.  Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com. A partir de agora o Ex-Libris sobre Cultura de 19 de outubro de 2018 começou.

O badalado historiador Yuval Noah Harari crê que o gênero literário ficção científica tem o poder de moldar a opinião pública. Muito mais que todas as bobagens geradas pelos partidos e congressistas das últimas legislaturas, os quais conseguiram moldar da lama das instituições do Estado brasileiro um Coiso, mas… deixa pra lá, o tema hoje é cultura. Antes de prosseguir um aviso: não confunda este gênero literário com o gênero Fantasia, que os brasileiros adoram associar à Ficção Científica. Yuval Noah Harari, autor dos best-sellers Sapiens e  Homo Deus, é um grande fã de ficção científica, e inclui um capítulo inteiro sobre tal assunto em seu novo livro 21 Lessons for the 21st Century (21 lições para o século 21 em tradução livre).

“Atualmente, a ficção científica ou sci-fi é o gênero artístico mais importante para a sociedade”, diz Harari no episódio 325 do podcast Guia do Geek para a Galáxia [Geek’s Guide to the Galaxy] – este e outros links estão na transcrição deste episódio lá no idigitais.com. “Livros de sci-fi moldam a compreensão do público em geral sobre coisas como inteligência artificial e biotecnologia, as quais provavelmente mudarão nossas vidas e nossa sociedade mais do que qualquer outra coisa nas próximas décadas”. Se tudo andar como está andando, sempre pode surgir algo muito estúpido para a Humanidade que altere esse  progresso.

Como a ficção científica desempenha um papel tão importante na formação da opinião pública, ele gostaria de ver mais obras de ficção científica que lidam com questões realistas, tais como: Uma inteligência artificial, criando uma “classe inútil” permanente de trabalhadores. Já aviso – e com o aval do Marco Gomes: Motoristas e redatores coloquem suas barbas de molho… Um cenário já real é a utilização de Inteligência Artificial e Big Data para operar automóveis autônomos (e em breve caminhões de carga), bem como para vasculhar o WhatsApp de milhões de pessoas e por meio da filtragem dos assuntos mais replicados segundo a segundo, para pautar um impulsionamento com fins comerciais e/ou políticos, algo assim como um jornalismo imediato, seja de real news ou fake news. [parênteses] – Eu ainda não tive notícia de alguma Start Up com IA e Big Data fazendo jornalismo do tipo break news. Não duvido que Google e Facebook já estejam fazendo isso… Mas se não estiverem e aparecer alguma Startup unicórnio por aí, a idéia é MINHA! [fechando os parênteses]. Harari nesta entrevista também afirma que: “Se você quiser aumentar a conscientização pública sobre tais questões –  Inteligência Artificial e Biotech – um bom filme de ficção científica poderia valer não um, mas sim uma centena de artigos na Science, Cell, Nature, ou no New York Times”. Lembro aqui a riqueza de informações científicas atuais disponíveis em filmes como Contato de 1997, Interestelar de 2014 e Arrival (A chegada) de 2016 e o  quanto dessas informações foram dissecados pelos fãs de sci-fi e a comunidade científica.

Mas, em contraponto, o mesmo Harari salienta que a disponibilidade de muitas obras de ficção científica faz com elas tendam a se concentrar em cenários fantasiosos ou extravagantes. Né, tchurmina das Espadas de Vidro e o Trono de Carvão – volume I, obviamente? Acho que só o Cardoso vai entender a referência. Mas, vamos lá… De acordo com Harari: “Na maioria dos livros de ficção científica e filmes sobre inteligência artificial, o enredo principal gira em torno do momento em que o computador ou o robô ganha consciência e começa a ter sentimentos”. Nessa hora é que o prof. Miguel Nicolelis se retorce na poltrona muito mais que comemorando um gol do Palestra. O historiador considera que isso – a concentração em cenários fantasiosos e extravagantes – desvia a atenção do público dos problemas reais e importantes para coisas que provavelmente não acontecerão tão cedo assim. Inteligência Artificial e Biotecnologia podem ser dois dos problemas mais críticos que a humanidade enfrenta, mas Harari observa que eles são apenas um pontinho no radar político. Ele acredita que os autores de ficção científica e cineastas precisam fazer tudo o que puderem para mudar isso.

“As tecnologias certamente – continua Harari – não são ferramentas de aniquilação, meios de se chegar um armagedon. Ainda podemos agir e regular estas mesmas tecnologias para evitar os piores cenários e usá-las principalmente para o bem”. Lembro que a lasca de silex do paleolítico servia para abater, retirar a pele e descarnar um animal para alimentação de nossos ancestrais como também para matar outro nosso ancestral. Tecnologia é isso: serve, se para o bem ou para mal, depende do uso. É questionável quantas vezes um ser humano pode se reinventar durante sua vida – e sua vida, com os avanços da biotecnologia – já é e provavelmente será mais longa, e seus anos de trabalho também serão mais longos. Então você seria capaz de se reinventar quatro, cinco, seis vezes durante a sua vida? O estresse psicológico é imenso. Eu gostaria de ver – diz Harari –  um filme de ficção científica que explora a questão bastante mundana de alguém ter que se reinventar, então no final do filme – assim que ele se acomodasse nesse novo trabalho, após um período de longa transição, difícil – alguém vem e anuncia: “Ah, desculpe, seu novo trabalho acaba de ser automatizado, você tem que começar da estaca zero e se reinventar novamente.”

“A única questão deixada em aberto depois de terminar de ler 1984 de George Orwell, publicado em 1949 é: Como podemos evitar esse processo e não chegar lá?” [parenteses novamente] – Para nós brasileiros a certeza é: putamerda, chegamos lá…[fechando o parênteses]. Repetindo o texto para manter a fluidez e o entendimento: A única questão deixada em aberto ao fim do livro 1984 é: Como não chegar naquilo? Mas com Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley, publicado em 1932, é muito, mas muito mais difícil.  Todos personagens de Huxley estão plenos e felizes e satisfeitos com tudo o que acontece. Não há rebeliões, não há revoluções, não há polícia secreta, há apenas sexo livre e rock and roll, drogas e tudo o mais. E, no entanto, você tem esse sentimento muito desagradável de que algo está errado, e é muito difícil apontar o que está errado em uma sociedade em que você hackeou as pessoas de modo que elas fiquem satisfeitas o tempo todo. Quando foi publicado, era óbvio para todos que esta era uma distopia assustadora, mas hoje, cada vez mais pessoas lêem o livro de Huxley como uma utopia, assim…  sem sobressaltos ou estranhamentos maiores. Eu creio que essa mudança é muito interessante e diz muito sobre as mudanças em nossa visão de mundo no último século.”

Um outro ponto sobre extensão da vida é abordado por Harari em sua busca de roteiros inusitados: “Que tipo de relações entre pais e filhos teríamos  quando os pais soubessem que não vão morrer e deixar seus filhos para trás? Se você vive 200 anos, e, ‘quando eu tinha 30 anos eu tive esse filho, e ele agora tem 170, mas isso foi há mais de uma século e meio, essa foi uma parte tão pequena da minha vida’. Que tipo de relação você tem em tal sociedade? Eu acho que essa é outra idéia maravilhosa para um filme de ficção científica – sem rebeliões de robôs, sem um grande apocalipse, sem um governo tirânico – apenas um filme simples sobre a relação entre mãe e filho quando a mãe tem 200 anos e o filho tem 170.” Finaliza Harari. Eu mesmo tive a oportunidade de conhecer uma senhora de 92 anos e sua filha de 77 e a relação entre ambas era algo que beirava o companheirismo, algo distante da relação mãe e filha do tipo 20 – 45 (hoje em dia um caso um tantinho escasso devo concordar). Há alguns anos as mulheres pararam de ter filhos logo após a faculdade, agora elas os têm quando a vida profissional está consolidada.

No quesito tecnologia Harari finaliza: “Você poderia ter imaginado há 50 anos que o ser humano desenvolveria um enorme mercado para transplantes de órgãos, em que países em desenvolvimento seriam enormes fazendas em que milhões de pessoas poderiam ter seus órgãos retirados e depois vendidos para pessoas ricas em países mais desenvolvidos. Tal mercado valeria centenas de bilhões de dólares, e tecnologicamente é completamente viável – não há absolutamente nenhum impedimento técnico para criar tal mercado, bem como estas enormes fazendas de órgãos. Então, há muitos desses cenários de ficção científica que nunca se materializam porque a sociedade pode agir para se proteger e regular as tecnologias perigosas. E isso é muito importante lembrar quando olhamos para o futuro ”.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Cultura, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isto ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e10 – Cultura

s01e10 sci-fi

Por que a ficção científica é atualmente o gênero literário mais importante 

Um historiador, uma sociedade complexa e tecnológica e o entretenimento funcionando como elemento divulgador de conhecimento e educacional. Até dá vontade de ser escritor.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e09

[Tecnologia] – A tecnologia educacional (edtech) veio para ficar?

Juntos, a tecnologia e os professores podem renovar as escolas, ou como a ciência da aprendizagem pode tirar o melhor proveito da tecnologia educacional.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 9º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post desse episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

A partir de agora o Ex-Libris sobre Tecnologia de 16 de outubro de 2018 começou.

Em 1953, o psicólogo norte americano Frederick Skinner visitou a aula de matemática de sua filha e encontrou todos os alunos aprendendo o mesmo tópico da mesma maneira e com a mesma velocidade. Poucos dias depois, ele construiu sua primeira “máquina de ensino”, a qual permitia que as crianças respondessem a perguntas em seu próprio ritmo. 

Skinner falecido em 1990, psicólogo famoso por conduzir trabalhos pioneiros em psicologia experimental, tinha muitos bons relacionamentos com o governo norte-americano. Propunha o behaviorismo radical – abordagem que busca entender o comportamento em função das inter-relações entre a filogenética, o ambiente e a história de vida do individuo.

[Parênteses] – tive que pesquisar isso: Filogenética – do grego phylon equivale a raça e gen se refere à ideia de origem ou nascimento, ou seja, filogenética é o estudo da origem dos organismos vivos e as relações existentes entre estes [fecho parênteses]

Sua máquina de ensino foi apoiada pelo United States Office of Education (tem video lá no youtube, procura lá “BF Skinner Teaching Machine“, ou se quiser, o link está na transcrição deste episódio).

Em meados da década de 1960, aparelhos semelhantes inundaram o mercado norte-americano sendo oferecidos por vendedores de porta em porta. Em poucos anos, porém, o entusiasmo por estas maquinetas havia diminuído.

Desde então, a tecnologia educacional (conhecida como edtech) repetiu o mesmo ciclo de hype e fracasso mesmo quando os computadores reformularam quase todas as outras partes de nossas vidas. 

[Parênteses novamente] Parece até o podcasting, entra ano sai ano é sempre a mesma coisa: “agora vai” e ploff voltamos à estaca zero. Parece, eu disse parece que agora a mídia começa a se mostrar uma opção razoável ao mercado (a garotada que começou a ouvir podcasts há alguns  já está nas agências e alguns já estão nos cargos de decisão). Oi gente… tudo bem? Olha eu aqui… [fechando o parênteses]

Um dos motivos do fracasso da edtech é o conservadorismo dos professores e seus sindicatos, e consequente burocracia, distanciamento e falta de destreza com as tecnologias disponíveis. 

Outro motivo bem definido, é que o potencial de capacitação e eficiência da edtech ainda não foi apropriadamente comprovado. Aqui eu ressalto o processo causa-efeito, se não há domínio da ferramenta tecnológica e da sua aplicação na educação não haverá capacidade para definir parâmetros adequados para aferir a sua efetividade. É algo como pedir a um biólogo definir em seu laboratório os parâmetros de aferição de qualidade de uma construção  civil.

Hoje, no entanto, os herdeiros de Skinner estão forçando os céticos a repensarem suas posições. Apoiados pelas ferramentas e suportes que a internet propiciou, finalmente, escolas em todo o mundo estão usando aplicativos inovadores para “personalizar” o aprendizado. Isso pode ajudar centenas de milhões de crianças presas em salas de aulas precárias – mas apenas se os defensores da edtech puderem resistir à tentação de reviver falácias e dar asas a idéias irreais sobre como as crianças devem aprender. Para ter sucesso, a edtech deve estar a serviço do ensino, e não o contrário.

O modelo convencional de escola – professor, lousa, giz, e um grupo de crianças – surgiu na Prússia no século XVIII. As alternativas até agora propostas não conseguiram ensinar de forma adequada e eficientemente a maioria das crianças. Salas de aula, crianças agrupadas por idade, estrutura hierarquizada, currículos padronizados e horários fixos ainda são a norma para a maioria das quase 1,5 bilhão de crianças em idade escolar no mundo.

Enquanto isso no Brasil, de acordo com a UNICEF, 7 milhões de estudantes têm 2 ou mais anos de atraso escolar; o ministro da Educação, Rossieli Soares (de 40 anos), afirmou quando da divulgação pelo MEC do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) 2017 que: ”o ensino médio está falido, e corre o risco de chegar ao ‘fundo do poço’, ele não está agregando conhecimento aos alunos”.  E sabe o por que do desespero do Ministro? Simples! Porque 7 em cada 10 alunos do 3º ano do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática. Entre os estudantes desta etapa de ensino, menos de 4% têm conhecimento adequado nestas disciplinas. Ou seja, 96% tem conhecimentos básicos, rudimentares  ou não sabem nada, absolutamente nada, de matemática ou português.

A cada dois anos, o SAEB mede a aprendizagem dos alunos ao fim de cada etapa de ensino: ao 5º e 9º anos do ensino fundamental e ao 3º ano do ensino médio. O sistema é composto pelas médias de proficiências em português e matemática extraídas da Prova Brasil, e pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Pela primeira vez, o MEC classificou os níveis de proficiência que estão organizados em uma escala de 0 a 9 – quanto menor o número, pior o resultado. Os níveis de 0 a 3 são considerados insuficientes; entre 4 e 6 os alunos têm nível de conhecimento básico; e a partir de 7 até 9, adequado. Etapa mais problemática da educação básica, o ensino médio foi classificado no nível 2 de proficiência. Em matemática, 72% dos alunos têm nível insuficiente de aprendizado. Desses, 23% estão no nível 0, o mais baixo da escala de proficiência. Ou seja, nada, não sabem nada. Em português, 71% dos dos alunos têm nível insuficiente de aprendizado, sendo que 24% estão no nível zero.

Em resumo, ao fim do colegial cerca de 70% dos alunos têm nível insuficiente de matemática e português e destes cerca de 24% nada sabem nada destas matérias. Olha aí o futuro do país sendo delineado… 

Nos países pobres, em média, apenas um quarto dos alunos do ensino médio adquire pelo menos o conhecimento básico de matemática, leitura e ciências. Mesmo nos países mais ricos da OCDE, cerca de 30% dos adolescentes não conseguem atingir proficiência em pelo menos um desses assuntos. Essa parcela permaneceu praticamente inalterada nos últimos 15 anos, durante os quais bilhões de dólares foram gastos em TI nas escolas. Em 2012, havia um computador para cada dois alunos em vários países ricos. A Austrália tinha mais computadores que alunos. Mal empregados os computadores, tablets e smartphones tendem a ser uma distração, ferramenta perfeita para embotar um processo de aprendizado. Um estudo português de 2010 descobriu que as escolas com internet mais lenta e o bloqueio de sites como o YouTube tiveram melhores resultados do que as escolas de alta tecnologia.

O que importa é como a edtech é usada. Uma forma que pode ser a solução é a instrução sob medida. Desde que Filipe II da Macedônia contratou Aristóteles para preparar p seu filho Alexandre, o Grande, pais ricos pagam por melhores professores. 

Alguns inovadores tecnológicos de São Paulo a Estocolmo acham que a edtech pode colocar a atenção individual ao alcance de todos os alunos. As escolas americanas estão adotando tal modelo de modo mais acelerado. Um distrito escolar se comprometeu a introduzir “aprendizagem digital personalizada” para 1/3 de seus alunos, agora. Os métodos de grupos como o Summit Public Schools, cujo software foi escrito pelos engenheiros do Facebook, estão sendo copiados por centenas de escolas. Na Índia, onde cerca de metade das crianças deixa a escola primária incapazes de ler um texto simples, o currículo básico é inalcançável para a maioria alunos. 

Softwares “adaptativos” como o Mindspark são capazes de descobrir o que uma criança sabe e assim formulam perguntas de acordo com a capacidade do aluno. 

Em um paper recente “Disrupting Education? Experimental Evidence on Technology-Aided Instruction in India” os autores afirmam em seus Abstract:

“Estudamos o impacto de um programa de ensino pós-escola com auxílio de tecnologia personalizada em escolas urbanas do ensino médio na Índia usando uma loteria que oferecia aos vencedores acesso gratuito ao programa.  Os vencedores da loteria marcaram 0.37σ acima em Matemática e 0.23σ maior em Hindi durante apenas um período de 4,5 meses. Estimativas (usando Variáveis Instrumentais) sugerem que frequentar o programa por 90 dias aumentaria as pontuações nos testes de Matemática e Hindi em 0,6σ e 0,39σ, respectivamente. Encontramos ganhos semelhantes nos escores absolutos dos testes para todos os alunos, mas ganhos relativos muito maiores para os alunos academicamente mais fracos. Nossos resultados sugerem que programas de instrução auxiliados por tecnologia bem concebidos podem melhorar drasticamente a produtividade no fornecimento de educação.”

O outro caminho que a edtech pode ajudar a aprender é tornar as escolas mais produtivas. Na Califórnia, as escolas estão usando um aplicativo para reformular o modelo convencional. Em vez de livros didáticos, os alunos têm “playlists”, que eles usam para acessar lições on-line e fazer testes. O software avalia o progresso das crianças, eliminando o processo de ‘dar nota’ a cada um dos alunos, aliviando assim a carga de trabalho dos professores. O tempo economizado é utilizado em outras tarefas, como o incentivo às habilidades sociais dos alunos ou aulas individuais. Um estudo em 2015 sugeriu que as crianças que adotaram precocemente esse modelo tiveram melhores resultados nos testes do que seus pares em outras escolas.

Toda essa inovação é bem vinda. Mas fazer o melhor com a edtech significa fazer várias coisas certas.

Primeiro, o “aprendizado personalizado” deve seguir as evidências de como as crianças aprendem. Não deve ser uma desculpa para reavivar idéias pseudocientíficas como “estilos de aprendizagem”: a teoria de que cada criança tem um modo particular de receber informações. Tal absurdo leva a esquemas como o Brain Gym, um programa de “cinesiologia educativa”, certa vez apoiado pelo governo britânico, esquema que afirmava que alguns alunos deveriam esticar, dobrar e emitir um “bocejo de energia” enquanto faziam suas contas. Uma outra falsidade é afirmar que usar a tecnologia significa que as crianças não precisam aprender fatos ou não precisam de um professor – que em vez disso, podem usar o Google e tudo irá funcionar. Alguns ditos educadores vão mais longe, argumentando que aprender e memorizar fatos atrapalham habilidades como a criatividade e o pensamento crítico. É exatamente o contrário. Uma memória repleta de conhecimento permite a evolução desses talentos. William Shakespeare foi educado em Latim e mesmo assim escreveu algumas peças muito decentes em inglês. Em 2015, nos EUA, um vasto estudo com 1.200 análises educacionais descobriu que, das 20 formas mais eficazes de impulsionar a aprendizagem, quase todas dependiam do trabalho de um professor.

Em segundo lugar é preciso garantir que a edtech reduza, em vez de ampliar, as desigualdades na educação. Aqui há motivos para otimismo. Algumas das escolas pioneiras em edtech são as escolas privadas do Vale do Silício. Entretanto, já há muitas outras escolas independentes que utilizam a edtech e ensinam preferencialmente alunos pobres, como a Rocketship e Achievement First – ou Summit, onde em 2017, 99% dos alunos que concluíram o curso foram para universidade e os retardatários obtiveram o maior progresso em relação aos alunos nas mesmas condições das escolas ditas  normais. Um padrão semelhante pode ser observado fora dos Estados Unidos. Em estudos de edtech também na Índia por J-PAL, um grupo de pesquisa, os maiores beneficiários são as crianças que usam software para receber educação corretiva.

Em terceiro lugar, o potencial para a tecnologia da educação só será percebido se os professores a adotarem. Eles estão certos em pedir provas de que os produtos funcionam. Mas o ceticismo não deve se transformar em ludismo. Um bom modelo é o que ocorre aqui em São Paulo, onde milhares de professores e principalmente escolas adotaram a plataforma adaptativa Geekie. Em 1984, Frederick Skinner chamou a oposição à tecnologia na educação de “vergonha”. Dado o que a edtech promete hoje, a mentalidade fechada não tem lugar na sala de aula.

E só para complementar o até aqui exposto neste podcast vou abordar mais um aspecto sobre a questão educacional… O ano era 1968 quando um professor de psicometria, Julian Stanley, se deparou com um gênio que cursava Ciência da Computação na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Joseph Bates, 12 anos, era brilhante – mas estava entediado com o curso, ele estava muito à frente dos estudantes de sua classe. Inspirado por esse prodígio, Stanley iniciou um longo estudo que duraria 45 anos, acompanhando o desenvolvimento de crianças superdotadas que incluiria nomes como Mark Zuckerberg e Lady Gaga.

Então, o que aconteceu com Joseph Bates? Ele se deu muito bem. Ele continuou a estudar, completou um doutorado, lecionou em uma universidade e agora se tornou um “pioneiro em inteligência artificial”. Stanley deu início ao projeto na Johns Hopkins University’s Center for Talented Youth (Centro para Jovens Talentosos da Universidade Johns Hopkins), em Baltimore. Batizado de SMPY, em inglês, que significa Estudo de Jovens Matematicamente Precoces. O programa acompanhou a trajetória de mais de 5 mil crianças superdotadas. Foi por meio desse trabalho que ele chegou a descobertas surpreendentes.

O estudo vai contra a antiga crença de que “a prática leva à perfeição”, segundo a qual você pode se tornar um especialista em alguma coisa contanto que trabalhe duro e tenha foco. Em vez disso, o SMPY sugere que a capacidade cognitiva inicial – como resolver problemas e tomar decisões corretas – tem mais efeito sobre a conquista do que a prática ou até mesmo o status socioeconômico de uma pessoa. Por isso, é importante estimular as habilidades da criança desde cedo – mas sem pressionar aquelas que se mostram mais inteligentes que a média para que se tornem – entre aspas – “gênios”. Isso poderia “levar a todos os tipos de problemas sociais e emocionais”, de acordo com educadores.

Mas, se você quer incentivar e manter seus filhos felizes ao mesmo tempo, os especialistas têm algumas recomendações:

  • Exponha seu filho a experiências diversas – Crianças com alta inteligência geralmente precisam de novidades para se manterem motivadas. Aumentar experiências de vida, além de contribuir nesse sentido, ajudaria a criança a desenvolver a confiança para lidar com o mundo. Psicólogos dizem que o conforto vem de se apegar ao que é familiar. É preciso coragem para tentar algo diferente.
  • Estimule seus talentos e interesses – Seja um novo esporte, um instrumento ou uma aula de teatro, permitir que seus filhos explorem os talentos desde cedo os ajudará a desenvolver habilidades importantes, como a resiliência. Não os force a “ser algo” que eles não são.
  • Apoie as necessidades intelectuais e emocionais do seu filho – A curiosidade é a essência de todo aprendizado. As crianças podem fazer muitas perguntas antes de começarem na escola e, embora sua paciência para responder a todas as questões possa ser um pouco escassa, isso é muito importante para o desenvolvimento delas. Quanto mais “porquês” e “comos” eles perguntarem, melhor será o desempenho na escola.
  • Elogie o esforço, não a habilidade – Ajude as crianças a desenvolverem uma “mentalidade de crescimento”, comemorando a aprendizagem, e não o resultado em si. As crianças aprendem a reagir às coisas através de seus pais. Portanto, seja sobre aprender a falar um novo idioma ou até mesmo andar de bicicleta, a disposição para aprender que deve ser estimulada.
  • O fracasso não é algo a ser temido – Os erros devem ser tratados como blocos de construção para o aprendizado. Aprender com eles deve ser tratado como uma oportunidade para crescer, pois ajudará as crianças a entender como elas podem abordar melhor o problema da próxima vez. 
  • Cuidado com os rótulos – Rótulos só irão diferenciar seu filho de outras crianças. Isso poderia não apenas levá-los ao bullying, mas também adicionar imensa pressão de ser uma decepção.
  • Trabalhe com os professores para atender às necessidades do seu filho – Alunos inteligentes geralmente precisam de material mais desafiador, apoio extra ou liberdade para aprender em seu próprio ritmo. Trabalhar em torno dos sistemas educacionais atuais para atender às suas necessidades é muito importante. 

Por fim,

  • Teste as habilidades do seu filho – Isso pode auxiliar os pais que quiserem fazer um trabalho mais avançado de desenvolvimento dos talentos das crianças e pode ainda revelar problemas como dislexia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou desafios sociais e emocionais.

Mas, afinal, como saber se seu filho é superdotado? Aqui – finalmente – estão alguns sinais, segundo a sociedade de alto QI, Mensa. Então preste atenção de seu pimpolho tem: 

  • Memória incomum;
  • Leitura precoce;
  • Gosta de passatempos ou interesses incomuns ou conhecimento profundo de determinados assuntos;
  • Tem consciência de eventos mundiais;
  • Tem senso de humor evoluído;
  • Faz questionamentos todo o tempo;
  • Possui musicalidade;
  • Gosta de estar no controle; e
  • Adora inventar regras adicionais para jogos.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Tecnologia, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e09 – Tecnologia

s01e09 Education

A tecnologia educacional (edtech) veio para ficar?

Juntos, a tecnologia e os professores podem renovar as escolas, ou como a ciência da aprendizagem pode tirar o melhor proveito da tecnologia educacional.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e08

[Ciência] – Surto de sarampo afeta a Romênia em meio a baixas taxas de vacinação

Como de uma farsa financeira causa a uma situação de alerta mundial de custos inimagináveis tanto em dólares como em vidas humanas.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 8º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Ciência de 12 de out de 2018

Um surto recente de sarampo matou dezenas de bebês e crianças na Romênia, um país com 20 milhões de habitantes.  Algo como a grande São Paulo em termos populacionais. E o surto continuava nos meados de setembro com cerca de 200 novos casos registrados a cada semana.

Mas o surto de sarampo não é privilégio da Romênia. Esta doença e algumas outras muito perigosas, como a poliomielite voltaram, não na África – que nunca se livrou delas a contento – mas na Ásia, na Europa, na Oceania e agora na América do Sul. 

Os médicos romenos – fazendo eco aos seus colegas do mundo inteiro – afirmam que o aumento da doença é decorrência das baixas taxas de vacinação. Algumas celebridades romenas realizaram campanhas na mídia alertando sobre os perigos da falta de imunização, mas superstições que sustentam que tomar suco de repolho ou não limpar a casa são tão eficazes quanto tomar a vacina, deixam os médicos desesperados, tanto quanto os seus pares brasileiros que não sabem lidar com as pessoas que acreditam mais nas informações que recebem pelo whatsapp de amigos e familiares do que nas campanhas do governo e noticiários de tv.

Bem, voltando à Romênia… Alguns médicos tem sinalizado que em algumas regiões e momentos não há estoque suficiente de vacinas. O que não ajuda em nada o controle, a inoculação e a proteção das áreas afetadas. Alexandru Rafila, chefe de laboratório do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas de Bucareste, disse à Associated Press, que a doença altamente contagiosa se espalhou mais rápido porque milhões de romenos trabalham no exterior, expondo-se a diferentes cepas do vírus. Quando voltam para casa iniciam um processo com multi-vetores em diferentes regiões. Ele disse que a doença apareceu pela primeira vez em uma comunidade de ciganos no noroeste da Romênia em 2016. Afirmou ainda que a cepa da doença era estranha à Romênia, mas frequentemente encontrada na Itália.

Cerca de 13.700 pessoas na Romênia contraíram sarampo desde o início da epidemia em 2016, e 55 morreram, segundo o Centro Nacional de Supervisão e Controle de Doenças Transmissíveis. A Organização Mundial de Saúde recomenda um nível de vacinação de 95%; a Romênia tem uma das taxas mais baixas da Europa – menos de 84%. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças disse que o número de casos de sarampo em todo o continente triplicou no ano passado, com a Romênia, a Ucrânia e a Itália sendo os países mais afetados.

Médicos como Alexandru também se deparam com celebridades como Olivia Steer, uma personalidade da televisão romena, que promoveu publicamente uma postura anti-vacina. Viu Jim Carrey que merda você ajudou a fazer! “Infelizmente, há um apetite por algo sensacional”, disse Alexandru. “As pessoas que se opõem à vacinação são promovidas (na mídia) de uma forma que, digamos, é antiética”. A celebridade citada pelo médico, Olivia Steer se recusou a falar sobre seus pontos de vista anti-vacina  com a imprensa internacional.

Aquela velha e antiga pesquisa falsa publicada há 20 anos que ligava a vacina ao autismo foi desacreditada, mas o susto deixou algumas pessoas desconfiadas, disseram médicos romenos. Caso você não saiba que raio de pesquisa falsa é essa falarei rapidamente sobre ela no final deste podcast. 

Em Chitila, uma pequena cidade ao norte de Bucareste, a pediatra Daniela Stefanescu enfrentou a desconfiança de inúmeros habitantes na sua tentativa de vacinar  bebês contra sarampo e caxumba. Stefanescu disse que o alto número de mortes por sarampo fez com que as pessoas da região que a princípio se mostraram céticas, reconsiderassem sobre a possibilidade de vacinação. Stefania Pena, 28 anos, uma das pessoas reticentes acabou imunizando seu filho de 1 ano, apesar de ter dúvidas, afirmou: “Eu li sobre crianças que morrem de sarampo e fiquei com medo”.

Enquanto isso aqui no Brasil… Até 3 de setembro, foram 1.579 casos de sarampo confirmados em todo país. O Brasil enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas que já computa 1.232 casos e 7.439 em investigação, e em Roraima, com o registro de 301 casos da doença, sendo que 74 continuam em investigação. Entre os confirmados em Roraima, alguns são de pessoas oriundas da Venezuela. Estes surtos estão definitivamente relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.  Alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (2 casos), 18 casos no Rio de Janeiro; 18 também no Rio Grande do Sul; 2 casos em Rondônia, 4 em Pernambuco e 2 no Pará.

O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos Estados. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados. Até o início de setembro, no Brasil, foram confirmados 8 óbitos por sarampo, sendo 4 óbitos no estado de Roraima (3 estrangeiros e 1 brasileiro) e 4 óbitos no estado do Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 2 do município de Autazes). Até o início de setembro, a média nacional de vacinação era de 76%. Em todo o país, 11 estados estavam abaixo da média nacional de cobertura vacinal da Campanha de Vacinação Contra a poliomielite e sarampo. O Rio de Janeiro estava com o menor índice de vacinação, seguido por Roraima, Distrito Federal, Pará, Amazonas, Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Piauí e São Paulo. A orientação foi para que os gestores locais fizessem a vacina ser aplicada mais rapidamente possível em mais de 2 milhões de crianças de 1 a 5 anos incompletos, que até meados de setembro não haviam sido protegidas contra sarampo e poliomielite. Esses 11 estados intensificaram suas ações de vacinação para alcançar a meta da campanha, de vacinar 95% do público-alvo. É só por meio da vacinação que pode-se impedir que doenças já eliminadas retornem ao Brasil.

Ainda no início de setembro o estado do Amapá atingiu a meta do Ministério da Saúde, de vacinar 95% do público-alvo. As capitais Macapá e Porto Velho superaram a meta da campanha. Macapá vacinou 100,3% para pólio e 99,8% para o sarampo e Porto Velho 98,3% pólio e para sarampo. Já Manaus, que iniciou a vacinação antes devido o surto de sarampo na região, já atingiu a meta de vacinação para a doença com 103% de cobertura.

Preciso explicar o porque do índice ser superior a 100%.? Lembra que a vacina era pra crianças de 1 a 5 anos incompletos… pois bem, se vacinou criança com mais de 5 anos, passou de 100%

Então sobre o caso que originou essa onda anti-vacina: Há 20 anos, em 1998, um médico britânico Andrew Wakefield – consultor honorário em gastroenterologia experimental no London’s Royal Free Hospital  – afirmou em uma pesquisa publicada na revista The Lancet – que se provou fraudulenta – que a vacina contra sarampo, rubéola e caxumba (MMR) tinha relação com o desenvolvimento de autismo em crianças. Muito dinheiro em novas pesquisas e muitas  declarações ponderadas depois comprovando a fraude da pesquisa original não foram suficientes para aplacar a boataria da época, as teorias de conspiração que se seguiram, nem a desconfiança atual de milhões de pessoas. Mesmo com a divulgação em 2004 da descoberta, que antes da publicação do artigo na Lancet, em 1998, o safado do Andrew havia feito um pedido de patente para uma vacina contra sarampo que concorreria com a MMR. Tadá!

A revista The Lancet publicou uma retratação só em 2010 por conta do artigo, e só depois do Wakefield ter sido considerado, também em 2010, “desonesto” enquanto realizava a pesquisa e por isso condenado a perder seu registro de médico por má conduta profissional pelo Conselho Geral de Medicina britânico (parece nosso brasilzinho, né?).

Então, você que ouve podcasts, é antenado, se informe sobre as campanhas e estruturas de vacinação e leve a palavra, ou melhor, explique para aquela mãe renitente a importância da vacinação e como deve fazer para garantir a segurança de seus filhos. Por fim, jamais tente explicar isso para um pai, ele nem sabe onde é o posto de saúde e nunca sabe onde está a carteira de vacinação.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais. Um podcast rápido e ligeiro sobre Ciência, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e08 – Ciência

S01e08 Measles

Surto de sarampo afeta a Romênia em meio a baixas taxas de vacinação

Como de uma farsa financeira causa a uma situação de alerta mundial de custos inimagináveis tanto em dólares como em vidas humanas.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e07

[Comportamento Humano] – O pensamento neopentecostal na sublimação de extremos.

Nada como o amor cristão demonstrar verdadeiramente sua face social e os seus caminhos na defesa da moral, família e bons costumes, e a ética que se lasque.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 7º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que goste do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Comportamento Humano de 09 de outubro de 2018

Nada mais maluco que pastor evangélico apoiar Jair Bolsonaro… ou não?

Nestas últimas décadas desde a redemocratização e o crescimento vertiginoso das igrejas neopentecostais, tanto do seu matiz – digamos – administrativo como do seu pragmatismo e envolvimento político, foi possível observar um movimento coordenado do cristianismo dito evangélico ou protestante em dois momentos distintos:

O primeiro foi na grande polarização onde o país se dividiu entre os que defendiam Lula e os que defendiam Collor lá nos idos de 1989, em nossa 1ª eleição direta após uma sufocante e voraz ditadura militar. Muitos pastores defenderam publicamente ambos os candidatos, e era visível um apoio mais envergonhado ao Collor e um mais entusiasmado no Lula por entenderem que o metalúrgico era uma melhor opção para os pobres. Nenhum dos seus defesores foi achincalhado ou defenestrado pelos seus pares. De lá para cá, a realidade mudou demasiadamente e parece que só tende a piorar.  

O segundo movimento – vigoroso, perfeitamente visível agora, resultante de um processo firme e eficiente de estruturação de um poder evangélico de viés político, com ramificações em todos os setores estratégicos, das comunicações à indústria, das confederações nacionais  ao Senado – patrocina e fomenta uma dicotomia a quem pintam como ideológica, mas como sempre, não passa de pura propaganda. Vários pastores – das tribunas de seus cargos políticos e de seus púlpitos – exortam seus rebanhos ao voto maciço para quem defende e enaltece torturadores, apoia e propaga discursos de ódio a desfavorecidos ou de outro sexo, renega a existência da ditadura e apoia estado de exceção, isso para falar o mínimo.  

Desde a ascensão de movimentos heterodoxos como o dos neopentecostais, que se firmam mais na avaliação literal da bíblia fundamentados em uma metodologia de cobrança financeira e troca teológica, o “caldo” do ódio dentro das igrejas começou a entornar.  Duas dessas escolas de gestão de igrejas evangélicas, que chamo de teologias rasas, filhas dos cultos  neopentecostais importados dos Estados Unidos, são o triunfalismo e a teologia da prosperidade. Ambas têm grande responsabilidade sobre o pensamento e os discursos de ódio propagado pelos chamados ‘cristãos modernos’.

A chamada “teologia da prosperidade” nega qualquer tipo de sofrimento comum a que o homem nesta terra, inevitavelmente, esteja submetido. Culpa o pobre pela sua pobreza, o doente pela sua doença, o inválido pela sua invalidez. Contraria um simples ensino gravado nos evangelhos tão sagrados aos seus fiéis, quando com simplicidade ímpar Jesus diz que “…faz que o seu sol se levante sobre os maus e bons, e a chuva desça sobre os justos e injustos.” (Mateus 5:45). Também não explica como o apóstolo Paulo, um dos homens da Bíblia de maior fé, sofria e era pobre (II Coríntios 6:10).

Irmã dessa escola nefasta, o triunfalismo advoga que os cristãos têm que dominar o mundo presente, atuando na política, na economia, nas artes, nos negócios a fim de que o cristianismo triunfe sobre as demais religiões e estabeleça o “governo do justo”, impondo os princípios ditos cristãos ao mundo, rivalizando com o estado laico que o próprio protestantismo reformado da Europa ajudou a criar. E tome bancada evangélica no Congresso… Esse ensino se contrapõe de maneira muito clara ao evangelho cristão, quando o próprio Jesus, novamente, ao ser inquirido por Pilatos, disse: “O meu Reino não é deste mundo” (João 18:36). Mas você crê que eles estão se importando com tais incongruências entre a teoria e a praxis por eles mesmos defendidas?

Toda essa falsa doutrina, como já disse, importada dos Estados Unidos, apenas comprova a teoria de que uma boa teologia é destilada na Alemanha, envelhecida na Inglaterra, apodrecida nos Estados Unidos e consumida nos países subdesenvolvidos do hemisfério sul. Por isso, é necessário mostrar as contradições do atual discurso do “cidadão de bem”, “conservador”, “cristão” e “defensor da vida” e da “família tradicional” em relação ao simples e puro texto que eles tanto santificam, prezam, divulgam, decoram e repetem exaustivamente a todos e a qualquer um, queira este ou não. Mas basta apenas comparar o texto do Evangelho com as atuais falas de ódio? Será que é assim que são desmascarados aqueles que usam a massa ignorante evangélica como palanque e lastro para seus projetos de poder? Não sei… como fazer com estes “cristãos conservadores”, tão apegados a frases como: 

  • “bandido bom é bandido morto”, 
  • “tem é que prender mais e não dar direito algum a vagabundo” 
  • “cota jamais” 
  • “quem defende criminoso é vagabundo”.

A raivosidade extrema, o ódio dos que responsabilizam o outro lado (que por sinal estava morto, abandonado, totalmente desacreditado e quase extinto) por todas as dores e sofrimentos existentes neste vale de lágrimas que se tornou nossa sociedade, é uma doença do espírito. Obnubila a inteligência, produz fanatismo e estupidez, e induz as almas incautas ao mais relinchante bolsonarismo.

Querem prova de que a raivosidade fomentada pelos evangélicos à ala progressista – defensora do estado laico, do pessoal mais à esquerda do pensamento econômico – é estúpida e autodestrutiva? Bastam duas evidências:

O primeiro grande feito do extremismo apoiado inflamadamente pelos líderes evangélicos nesta eleição foi aniquilar as candidaturas de direita e de centro. Acabou… tudo virou pó. Ou melhor, aqueles que desde o regime militar apoiam fisiologicamente (portanto não dá pra falar se esquerda ou direita) qualquer um, estão salvos e ilesos. Saíram da alça de mira… Sarneys, Jucás, Calheiros, Magalhães, Nogueiras, até o Dória… todo mundo na surdina… uns não foram eleitos, outros foram. E para piorar, o que havia de bom nas hostes centristas, foi de roldão. Todas as agendas voltadas para uma substituição construtiva e consequente da hegemonia petista foram asfixiadas pela ânsia “moral” e pela pauta feroz da extrema-direita. O inerte PSDB – desde 2002 – tentou vestir esta indumentária, agora, no Picolé de Chuchu e não deu muito certo. Quem diria, a direita destruiu o PSDB… A turma defensora da Escola sem Partido, que identifica qualquer traço de propósito ou postura fora da agenda evangélica cristã a determinação de um petralha, seja este eleitor do Ciro ou da Marina – não identifica a crise econômica e os problemas sociais, como o grande problema brasileiro, mas sim um grave problema é a erotização das crianças, a homossexualidade – eu adoro quando eles citam sem saber ao certo o que seja que são contra a ideologia de gênero – e também é um problemão essa mania de as mulheres pensarem que são iguais aos homens. 

Em segundo lugar: o radicalismo desse pessoal é tão burro e tão inconsequente que já tendo conseguido o feito de ressuscitar a força eleitoral de um PT semi-destruído, agora vai realizando a proeza de uma provável, possível, quem sabe eleição do Haddad.

Como corolário à esta tese reproduzo um daqueles textões gratuitos do Facebook, o qual ilustra e atesta perfeitamente o aqui exposto. É a cereja do bolo, vou ler como foi escrito, desculpe se não fizer sentido:

“E que comece o mimimi e as amizades de FB desfeitas… coisa que não tolero é hipocrisia, falso moralismo.

Meu voto é sim do BOLSONARO e sabe o porquê: 

  • – porque tô cansada de viver em um país onde bandidos tem direitos e a gente de bem tem que viver com medo e trancada; 
  • – porque tô cansada de viver em um país onde os costumes da família estão sendo deixados de lado; 
  • – porque estou cansada de ver noticiário com invasão de MST e tudo o mais de sem-qualquer-coisa por aí; 
  • – porque tô de saco cheio de ver meu país sendo invadido pelo povo que coloca comunista no poder e depois não aguenta e vem fazer baderna aqui; 
  • – porque tô cansada de ver nossos jovens perdendo espaço nas universidades por conta de cotas pra quem não tem base escolar, o problema é mais embaixo é na educação fundamental. 

Votar no Bolsonaro e se ele for eleito essas coisas serão resolvidas? Não sei, a única coisa que sei é que não dá mais para ser governado por guerrilheiro, assaltante de banco, analfabeto e bandido e essa vai ser minha opção para mudança.

Ah e ainda vai ter quem diga que eu não vivi o regime militar, é de fato não o vivi, mas se estou aqui é porque meus pais o viveram e sobreviveram, sabe por que? Porque enquanto o exército tava na rua colocando ordem meu pai estava trabalhado.”

Como há anos eu digo, a incompetência política e a estupidez humana se encarregam de ressuscitar ideologias arcaicas e amoralidades.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Comportamento Humano, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e07 – Comportamento Humano

s01e07 Evangelicals

O pensamento neopentecostal na sublimação de extremos.

Nada como o amor cristão demonstrar verdadeiramente sua face social e os seus caminhos na defesa da moral, família e bons costumes, e a ética que se lasque.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e06

[Política] – Capitalização da Previdência, o plano de 5 candidatos

Um dos grandes problemas deste país é, se sabe há mais de 50 anos, o desequilíbrio orçamentário do governo federal, daquilo que chamamos de Estado. Aqui vou arranhar a superfície de parte do problema que origina um déficit de cerca de 320 bilhões de reais para o ano de 2019.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 6º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto,  basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post desse episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todos os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Política de 05 de out de 2018

A Capitalização da Previdência é o modelo que acaba com ideia de que uma geração mais nova paga a aposentadoria de outra mais antiga e aposta na probabilidade de que o cidadão garantirá o próprio futuro.

O sistema previdenciário brasileiro tem um desequilíbrio absurdo quando se considera em balanço os números  relativos à esfera federal e os números relativos aos trabalhadores da iniciativa privada. Eu vou deixar os militares de fora por enquanto… é de bom alvitre sempre deixá-los lá na caserna, fazendo o que lhes é devido constitucionalmente. 

Esse desequilíbrio provoca um gasto crescente com aposentadorias e pensões. O dinheiro arrecadado exclusivamente com as contribuições diretas dos trabalhadores que estão na ativa não fecha a conta. Quer um exemplo? Então: em 2015 o pagamento de aposentados e pensões apenas da esfera da União demandou R$ 105 bilhões. As contribuições previdenciárias de quem estava na ativa, cerca de 1 milhão de pessoas, não cobriram nem de longe esse valor: somaram R$ 13 bilhões. A enorme diferença gerou um déficit perto de R$ 93 bilhões. Estes 105 bilhões em 2015 pagaram cerca de 1 milhão também de funcionários públicos federais só que  aposentados e beneficiários.

Do lado do iniciativa privada, o déficit do INSS, foi algo bem parecido em termos de valores, o déficit de 2015 foi de R$ 90 bilhões. Só que a arrecadação foi de cerca de R$ 450 bilhões e o valor total cercade 540 bilhões, total este que corresponde ao pagamento feito para quase 33 milhões de beneficiários. Eu sei você tá fazendo contas… deixa eu te ajudar:

105 bi dividido por 1 mi dá em média algo como R$ 8.750,00 / mês p/ cada servidor público federal aposentado ou pensionista.

Já do lado do INSS, da iniciativa privada: 540 bi dividido por 33 mi dá em média R$ 1.365,00 / mês p/ cada aposentado ou pensionista do INSS.

Mas não fique com raiva ainda… Devo lembrar que o sistema previdenciário não possui 3 caixas distintos – um caixa para os militares, outro para os servidores públicos e outro para os pobres mortais – tudo é um caixa só. Então advinha quem pagou este rombo de 183 bilhões em 2015 (e vem pagando desde 1965, na realidade, e continuará pagando por um bom tempo)? 

Para 2019 este rombo está previsto, já no orçamento aprovado, em 320 bilhões… de reais.

O Brasil inventado por esse loucos que pedem seus votos é igualzinho a um… ah…  deixa eu achar uma boa analogia… hum… achei! Um prédio de apartamentos na praia, isso mesmo, um Condomínio onde todas as unidades são idênticas com o mesmo valor venal e de compra, só que enquanto você trabalhador que conseguiu, a duras custas, comprar um apartamentozinho para alugar e recebe de aluguel o equivalente a 1.000 reais, o funcionário público recebe pelo apartamento idêntico ao seu a quantia de 6.410 reais. Se o trabalhador alugar por 2 mil, o funcionário público vai receber R$ 12.820. Bacana, né?!

E não adianta reclamar é Lei! Ou melhor, quase Lei, mas por meio de mecanismos legais (e mais uma ajudinha do Judiciário que é um dos interessados em manter o atrelamento ao salário mínimo) eles sempre conseguem manter a proporção. Aumentou salário mínimo, aumenta o do funcionalismo público.

Azar o seu que não entrou via concurso, nepotismo, ou notório saber para a casta do Funcionalismo Público Federal. Te vira aí.

Estamos em 2018 e o déficit da Previdência só aumenta, ou seja é uma bomba relógio – então… quem pagou e continua pagando essa dívida do governo são – surpresa! – os bancos, pois é… eles financiam o Tesouro Nacional, comprando do governo suas promessas de pagamento futuro (os famosos títulos do governo)  endividando internamente o Estado mais um pouquinho… afinal taxa de juros é taxa de juros.

No fim mesmo, você acertou, quem paga os aposentados e beneficiários somos nós mesmos com  nosso desvalorizado dinheirinho, esse mesmo dinheirinho que paga os juros de lojas, as tarifas e taxas malucas – tanto do mercado, como do governo -, o mesmo dinheirinho que é movimentado sem o seu aval e dá lucro no mercado de derivativos para as fintechs, sustenta igualmente alavancagens e empréstimos futuros de bancões, e claro que paga às instituições financeiras os maiores juros do mundo em qualquer operação de crédito bancário. Legal, muito legal…

A situação se agrava, e muito, quando se considera a falta de visão dos antigos chefes deste mesmo pessoal que idolatra o Estado Brasileiro de exceção lá de 1964. Não houve estruturação sustentável, e muito menos vontade de alterar algo para que parasse em pé essa cadeira de 2 pernas que é o sistema previdenciário brasileiro. A turma de túnica verde e coturno nem se importou nos impactos do aumento e envelhecimento da população e muito menos com o impacto previsível do aumento da expectativa de vida. Deu no que deu…

O FHC e sua turma alteraram bastante o regime de aposentadoria dos civis não-servidores públicos em 1998. Ou seja, fizeram a gente pagar mais um pouquinho da dívida e a perder mais um pouquinho da aposentadoria – o famoso fator previdenciário apareceu aí. Já para os militares e servidores públicos, ambos da ativa, eles só deram uma mexidinha no percentual da contribuição previdenciária. Para essa turma o tempo e forma de validações para aposentar e os valores dos benefícios não foram alterados em nada, na realidade até aumentaram. O candidato do PSL, p. ex., se aposentou com 17 anos de serviços prestados ao Exército – vai você lá, engenheiro, designer, front-end vai lá no INSS tentar se aposentar após 17 anos de contribuição pra ver se você consegue.

Michel Temer, em nome dos interesses mais escusos que eu possa imaginar, mas que jamais eu vou declarar,  tentou aprovar – graças aos deuses de forma bastante  equivocada – uma reforma canalha que impunha uma idade mínima de aposentadoria — igual para homens e mulheres, trabalhadores dos setores público e privado, dos regimes urbano e rural. Uma zona! Mas, cercado muito mais pela crise de representatividade política e por denúncias criminais, nosso presidente decorativo não conseguiu os ahn…parceiros para aprovar a aberração no Congresso.

Nessa eleição de 2018, a reforma da Previdência aparece como um tema mais que incômodo para os candidatos ao Palácio do Planalto. Tem candidatíssimo sabor chuchu que nem tocou no assunto no plano de marketing, ah desculpa, no plano de governo apresentado à Justiça Eleitoral.

Boa parte concorda que o déficit crescente da área é um problema a ser resolvido pelo próximo presidente da República. Eles discordam, no entanto, sobre como resolver a questão. Cada um tem uma ideia diferente.

Pelo menos cinco candidatos defendem abertamente a adoção de um novo modelo de Previdência no Brasil, chamado “regime de capitalização”, que é diferente do modelo em vigor hoje.

Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Alvaro Dias (Pode) colocaram o modelo em suas propostas para a área da Previdência, incluídas nos planos de governo entregues à Justiça Eleitoral. Geraldo Alckmin (PSDB) apesar de nada dizer sobre isto no seu plano, como já afirmei, defendeu este modelo publicamente há pouco tempo. E o que cada um deles dizem a respeito em seus planos de governo? Bem…

O plano do Bolsonaro afirma que: “A grande novidade será a introdução de um sistema com contas individuais de capitalização. Novos participantes terão a possibilidade de optar entre os sistemas novo e velho. E aqueles que optarem pela capitalização merecerão o benefício da redução dos encargos trabalhistas”

No da Marina tem-se o seguinte parágrafo: “Defendemos um processo de transição para um sistema misto de contribuição e capitalização, a ser implementado com responsabilidade do ponto de vista fiscal”

Já no plano do Ciro é dito que: “Defendemos a implementação de um sistema previdenciário multipilar capitalizado, em que o primeiro pilar, financiado pelo Tesouro, seria dedicado às políticas assistenciais; o segundo pilar corresponderia a um regime previdenciário de repartição com parâmetros ajustados em relação à situação atual; e o terceiro pilar equivaleria a um regime de capitalização em contas individuais”

E no plano do Alvaro Dias é dito que: “Defendemos o fomento à poupança e ao mercado de capitais por meio de uma nova previdência social que capitalizará os participantes e que democratizará a posse dos ativos estatais e forte incentivo ao investimento”

O atual regime é chamado de Repartição. E a diferença básica entre os dois modelos está no destino do dinheiro do contribuinte. O trabalhador da ativa hoje paga os benefícios de quem já está aposentado. E quem pagará sua aposentadoria, no futuro, é quem estiver trabalhando quando este tempo chegar.

Atualmente, há mais trabalhadores contribuindo para um número reduzido de aposentados, proporção de  cinco na ativa para um idoso – e mesmo assim há um deficit, pela metodologia historicamente usada pelo Ministério da Previdência e pela distribuição entre serviço público federal e os trabalhadores da iniciativa privada. A questão é que parcela da população brasileira com mais de 65 anos deve passar, segundo o IBGE, dos atuais 9,2% para 25,5% em 2060.

Enquanto o sistema atual se manter o deficit será cada vez maior. Aí, só há duas saídas: ou o governo continua bancando a diferença e reservando para isso uma fatia cada vez maior do Orçamento (em 2017, foram já 21% da despesa primária) ou diminui os gastos, reduzindo as aposentadorias.

[parênteses] – Gostaria de esclarecer o que é despesa primária – Despesa primária é aquela em que o governo não considera os efeitos financeiros, decorrentes dos juros. Portanto, é a primeira despesa do governo, aquela que ele dispõe para executar suas políticas públicas e pagar o funcionalismo. Ao emprestar dinheiro de um banco, o governo  arrecada uma receita, mas terá dois encargos: o saldo principal a amortizar e os juros. Como todos nós quando fazemos um empréstimo bancário. Essa despesa com juros é denominada de nominal, e não entra no cálculo do resultado primário. A despesa primária para 2019 é orçada em 1,7 trilhões de reais e paga o que deve pagar; a despesa financeira paga o refinanciamento, a amortização e os juros da dívida, e é “só” de 1,6 trilhões. Ou seja, o governo brasileiro é um pai desastrado de família que usa 50% do seu dinheiro para pagar o mínimo do empréstimo bancário, fazer um novo empréstimo; e com os outros 50% pagar “mal pra buroo” as despesas descontroladas de uma família de 4 pessoas consumistas com 24 empregados em regime semi-escravo. [fecha parênteses]

O regime de capitalização poderia ser traduzido como um  regime de poupança. A ideia base do modelo é que cada trabalhador guarde dinheiro para sua própria aposentadoria no futuro. O dinheiro pode sair de uma contribuição da empresa que registra o trabalhador. Em alguns casos, o trabalhador pode complementar a contribuição, mais ou menos nos moldes do que acontece hoje em fundos de pensão. Em outros casos, a contribuição pode vir somente do próprio trabalhador.

A grande dificuldade na implantação de um regime de capitalização previdenciária é a transição, ou seja,  os custos econômicos, financeiros e políticos da implantação desse regime de capitalização. Os economistas dos candidatos fazem cálculos e tentam estimar o chamado Custo de Transição, mas ainda não há nem um número especulativo. 

Não é difícil entender os motivos que tornam a implantação cara em um primeiro momento. Imagine só a implantação em paralelo de todo o sistema de administração e controle das contas de milhões de trabalhadores (duvide-o-dó que servidores públicos e militares sejam atingidos por essa mudança de regime logo de cara). 

A ideia da capitalização é criar um sistema previdenciário que nasça sem deficit. Nele, os trabalhadores estarão poupando para pagar sua própria aposentadoria no futuro. A questão é que os aposentados de hoje continuam existindo e precisando de financiamento. Principalmente os caros servidores públicos e militares.

O que o regime de capitalização faz, em um primeiro momento, é apenas retirar receitas do sistema. Ou seja, uma vez implantado, o regime de capitalização vai diminuir o número de contribuintes para o atual sistema, e o número de beneficiários do atual sistema vai continuar igual (na verdade, aumentando a cada ano até se aposentarem os primeiros trabalhadores do novo regime).

A proposta de capitalização pode ser implantada de várias maneiras, mas sempre respeitando a ideia de que o trabalhador contribui para si mesmo. Os modelos apresentados pelos presidenciáveis têm algumas variações.

  • O economista do Bolsonaro, o Paulo Guedes, diz que o governo quer garantir um rendimento para quem não contribuiu. O valor seria menor que o salário mínimo e maior que o Bolsa Família. Note que ele pressupõe que seja pessoa comum, pois não há no serviço público nem no regime militar benefício de 1 salário mínimo e muito menos Bolsa Família, né?
  • Já Alvaro Dias quer criar um fundo para recolher as contribuições de patrões e empregados e investir ali também o dinheiro que pretende arrecadar com privatizações de estatais para incentivar a adesão. Novamente, nem uma palavra sobre o desequilíbrio que funcionalismo público e militares causam na balança previdenciária.
  • A proposta de Ciro Gomes é a implantação de um sistema misto. Os benefícios sociais seriam bancados pelo Estado e os pagamentos até o teto do INSS (hoje em torno de R$ 5,645) continuaria no sistema atual. A capitalização seria adotada para quem recebe mais do que isso, no setor público ou privado. Aleluia! Um falou do funcionalismo público.
  • Marina Silva – como sempre, divaga em seus objetivos – ela defende fazer uma “transição” para que o regime de capitalização seja implantado no futuro. Sem precisar estratégia, valores ou volumes, nada… só marinando.

Nessa altura do campeonato você deve estar perguntando qual seriam os prós e contras da Capitalização?

Pois bem, a favor posso dizer que além de proteger contra mudanças demográficas, uma vantagem do sistema de capitalização é que ele aumenta a poupança de um país. A partir do momento em que o dinheiro é arrecadado para a aposentadoria, ele pode ser investido pelo gestor dos recursos — seja ele público ou privado. A característica da poupança para aposentadoria é o investimento para o longo prazo. Assim, esse dinheiro poderia ser aplicado em vários tipos de projetos, sendo um incentivo para o desenvolvimento da economia do país.

E contra, além do problema de transição, haverá certamente uma grande dificuldade para os mais pobres. Em um mercado sem estabilidade de emprego, principalmente entre as pessoas pouco qualificadas, o risco é que o trabalhador não consiga acumular uma quantia suficiente para bancar sua aposentadoria. Nesse caso, ou o Estado deixa esse trabalhador apenas com o que poupou, ou lhe garante um mínimo e continua deficitário em relação a ele.

Lembro agora que em janeiro de 2004, a Lei 10.835, proposta pelo então senador Eduardo Suplicy e aprovada pelo Congresso, foi sancionada pela presidência da república, instituindo a renda básica de cidadania. De acordo com a lei, todos os brasileiros e estrangeiros residentes há pelo menos cinco anos no país devem receber um benefício monetário suficiente para atender às despesas mínimas com alimentação, educação e saúde. O programa Bolsa Família sempre foi  considerado pelo senador como um dos passos necessários para alcançar esse objetivo. Entretanto, como muitas das Leis aprovadas esta até hoje ainda não foi implementada, e advinha qual é a desculpa do governo? O cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal que exige que para cada despesa do orçamento haja uma receita que a garanta. Agora, abrir mão de impostos e oferecer outros  subsídios ao setor produtivo em valores 30% a mais que o orçamento anual da Bolsa Família… tudo bem né gente?

Por exemplo, no caso concreto do Chile, o deficit da Previdência não é um problema para o setor público e o custo da transição já foi superado. O projeto foi implantado ainda durante a ditadura do general Augusto Pinochet, na década de 1980. O que não é indicador de coisa boa, mas vamos lá. Tudo andou meio que tranquilo desde então, porém, atualmente, o sistema enfrenta seus primeiros problemas. No Chile, não há contribuições do Estado ou de empregadores. Cada trabalhador é obrigado a depositar pelo menos 10% do salário por 20 anos para ter direito à aposentadoria. A falta de recursos para os mais pobres foi o estopim para a crise do sistema previdenciário do Chile, vale lembrar, o primeiro país do mundo a adotar um regime de capitalização. Os primeiros contribuintes se aposentaram recentemente e segundo dados publicados em 2017, 9 em cada 10 beneficiários recebiam um valor inferior a 56% do salário mínimo chileno, que equivale – para quem tem entre 18 e 65 anos – pouco mais de 1.500 pesos mensais, ou seja coisa de R$ 850. Fazendo as contas, 9 em cada 10 beneficiários chilenos recebem menos de R$ 476.

E pra terminar reforço minha observação sobre o real problema de nosso brasilzinho, sobre o desequilíbrio que o funcionalismo público provoca:  Segundo o Ministério do Planejamento, o governo federal – nos três Poderes (executivo, legislativo e judiciário) – tinha em 2015 o total de 2.195.154 servidores públicos em sua folha. Deste total, 55,3% estavam trabalhando, 26% eram aposentados e 18,7% pensionistas. O total da folha de pagamento do governo em 2015 foi de R$ 255,3 bilhões – cerca de 5,6% do PIB – dos quais R$ 151,7 bilhões de salários para funcionários da ativa, R$ 66,2 bilhões de aposentadorias e R$ 37,3 bilhões de pensões. O que dava em média cerca de R$ 9.700 mensais para cada um dos ativos, aposentados e pensionistas do serviço público. 

Considerando os dados da LDO, do orçamento, de 2019, onde o governo estima um gasto de R$ 321 bilhões com cerca de 2,2 milhões servidores públicos ativos, aposentados ou pensionistas, dá pra atualizar a média mensal… o que dá uma renda de R$ 12 mil para cada servidor aproximadamente. 

Desculpe, mas não tive estômago para ir até o portal da transparência e ficar caçando pedacinho por pedacinho de informação para montar um quadro mais detalhado. Tenho certeza, e nem preciso fazer muita conta para perceber que em média o beneficiário do INSS não recebe mensalmente algo muito maior do que 1,8 mil reais.

E essa turma querendo achar mais um jeito dos cidadãos de 2ª categoria pagarem as contas.

Política é isso desde sempre, a elite vive do que os escravos produzem e pagam, o agente político vez ou outra tira um dos bodes que convivem com uma multidão em uma sala de 15 m2 e a maioria das pessoas ficam felizes.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, acabou. Hoje foi um pouco longo… Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a gente manter esse  podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e06 – Política

S01e06 LDO 2019

Capitalização da Previdência, o plano de 5 candidatos

Um dos grandes problemas deste país é, se sabe há mais de 50 anos, o desequilíbrio orçamentário do governo federal, daquilo que chamamos de Estado. Aqui vou arranhar a superfície de parte do problema que origina um déficit de cerca de 320 bilhões de reais para o ano de 2019.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui