Transcrição Ex Libris – S01e013

[Ciência] – Uma tal de proteína tau

Como algo descoberto há 43 anos só agora permite um possível avanço na farmacologia para certas doenças neurodegenerativas.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 13º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura.  E fique tranquilo a cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que o Ex-Libris esteja atendendo as suas expectativas. Para eu saber se estou acertando eu preciso ouví-los também. Assim, aguardo sugestões, dê um pulo lá no idigitais.com e deixe seu comentário no post deste episódio, ou na sua transcrição, ou ainda envie um email para idigitais@gmail.com.

O Ex-Libris está disponível em diversos agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; Stitcher; Youtube e a transcrição também está lá no Medium. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar no seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com. Começa agora o Ex-Libris sobre Ciência de 05 de nov de 2018

Uma tal de proteína tau ou como algo descoberto há 43 anos só agora permite um possível avanço na farmacologia para certas doenças neurodegenerativas. 

Uma das chamadas “áreas quentes” de pesquisa em biologia, ou seja, um dos temas que estão em alta nos laboratórios do mundo, aguçando mentes, egos – e por que não dizer – a lucratividade, é a busca dos mecanismos que provocam as doenças neurodegenerativas. Projeta-se que cerca de 50 milhões  de pessoas sofram atualmente de doenças neurodegenerativas no mundo.

O paradoxo do desenvolvimento da biotecnologia nos trouxe este imenso desafio: o aumento expressivo da expectativa de vida da população revelou uma situação até o momento avassaladora – o risco de alguém com 75 anos ou mais de desenvolver uma doença neurodegenerativa é de cerca de 20% e aos 85 anos o risco dobra.

Explicando melhor “doença neurodegenerativa” é um termo genérico para uma série de doenças que afetam os neurônios do cérebro humano. Neurônio, por sua vez, é a unidade-base do sistema nervoso, é a célula responsável pela condução do impulso nervoso. Há cerca de 86 bilhões de neurônios no sistema nervoso humano (cérebro e medula espinal). 

Normalmente os neurônios não se reproduzem nem se substituem e, desta forma, quando sofrem lesões ou morrem não podem ser substituídos. A doença de Parkinson, o Alzheimer e a doença de Huntington são alguns dos exemplos de doenças neurodegenerativas. Essas doenças são, até o momento, incuráveis e extremamente debilitantes que têm como consequência a degeneração progressiva e/ou a morte dos neurônios. Causam assim problemas de movimento (ataxias) ou de função mental (demências).

As demências são as responsáveis pela maior carga da doença, com o Alzheimer representando aproximadamente 60 a 70% dos casos. Ainda há outras doenças neurodegenerativas que encontram-se na “alça de mira” da comunidade científica, além das já citadas Parkinson, Alzheimer e Huntington: a encefalopatia espongiforme transmissível; as doenças do neurônio motor (DNM); a ataxia espinocerebelosa (AEC); e a atrofia espinal muscular (AEM).

Para o que vou abordar aqui, em resumo, as doenças neurodegenerativas são caracterizadas pela morte de certos neurônios, onde as doenças de Alzheimer e de Parkinson são doenças que pertencem a uma classe particularmente importante de neuropatologias: as chamadas taupatias, que nada mais são do que doenças causadas – pelo menos em parte – pelo acúmulo anormal da proteína chamada tau nos neurônios. 

Essa proteína tem a função básica de estabilizar estruturas do neurônio, são abundantes no sistema nervoso central e foi descoberta em 1975 no laboratório de Marc Kirschner na Universidade de Princeton. Desde então inúmeros pesquisadores analisaram a danada da proteína. Com a descoberta da relação de sua quantidade em certas neuropatias a “luz vermelha” acendeu. O que e é e como acontece isso?

Há alguns anos um grupo de pesquisadores das universidades de Cambridge, no Reino Unido, e Indiana, nos Estados Unidos, debruçaram-se sobre o problema, e parece que eles finalmente obtiveram algumas soluções para esta questão, solução publicada agora em agosto de 2018 na revista Cell Reports. 

Para tanto os cientistas tiveram que inventar um método para detectar os filamentos da proteína tau de forma eficiente e segura. E para alcançar esse objetivo, ratinhos de laboratório tiveram seu gene tau (não “genitais” gente) o gene tau  mutado para produzir filamentos em quantidade muito maior que o normal, o que levou os pobres ratinhos a desenvolverem doenças neurodegenerativas numa idade muito precoce. Mas também possibilitou a localização e análise controlada destes filamentos.   

Os pesquisadores puderam ver que a formação dos filamentos levou à eliminação dos neurônios de uma maneira inexorável, embora lenta. A eliminação foi devida à atividade de células sentinelas, que são células fagocitárias, ou seja, células que comem células danificadas, além de microorganismos que podem causar uma infecção.

O cérebro contém numerosas células sentinelas. Os pesquisadores verificaram se as células sentinelas eram responsáveis ​​pela remoção da fagocitose de neurônios com filamentos de proteína tau em abundância.

Para isso, a primeira coisa que eles pesquisaram é se os neurônios com filamentos dessa proteína emitem os sinais moleculares para indicar que estão danificados e devem ser fagocitados.

Os estudos realizados pela equipe de pesquisadores mostrou que é isso que acontece. Neurônios doentes, ou seja, com inclusões de filamentos de proteína tau têm sua sua membrana modificada, de modo a expor uma molécula, que no caso das células saudáveis ​​é mantida energeticamente dentro da membrana do neurônio. Esta molécula exposta pela alteração da membrana devida a proteína tau constitui um sinal para ativar a fagocitose pelas células sentinelas. E aí o neurônio bau-bau… é atacado e fagocitado.

Ao mesmo tempo, os neurônios doentes também produzem moléculas que ajudam a sua própria fagocitose.

Estes estudos indicam, portanto, que não é o acúmulo de proteína tau que causa diretamente a neurodegeneração, mas sim o próprio processo de defesa do cérebro contra os neurônios danificados, mas que ainda funcionam, o que pode acelerar a morte neuronal.

Este novo conhecimento abre a porta para a investigação de novos tratamentos farmacológicos que diminuam os processos de fagocitose enquanto se pesquisa um meio de parar a agregação dos filamentos de proteína tau.

Aguardemos o desenvolvimento dessa pesquisa e torçamos para que em breve haja bons resultados. E lembrando, pesquisa básica é isso mesmo, algo persistente, repetitivo e de longo prazo.

Source: Cell Reports, Vol. 4, issue 8, P1939-1948 E4, August 21, 2018

 

O Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Ciência, acabou. Se você gostou disto aqui faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude a gente na divulgação e manutenção deste projeto. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris divulgando este episódio entre seus amigos, dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Mas nos avalie, por favor. Essa atitude ajuda muito a manter este podcast e também a nossa sanidade.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

I Dig it 005

CONHECIMENTO, IGNORÂNCIA E ESTUPIDEZ

INTRO: Aniversário de Mozart – 250 anos (1756); ego inflado pela caixa postal.

OMDTM: Genética e a infinita estupidez humana

Homo Sapiens: Vicente do Rego Monteiro, mestiço, pernambucano que “arrasou” na Paris da primeira metade do século passado. E agora na Amostra do Amazonas a Paris – em Paris.

OADD: Devagar não dói…

CNR: iPod nanos, Nuno e lusitanos

EAIQAUP:  Meu lapso entre Freires (Roberto – político e Gilberto – educador); Metrô-social; “pirulitos da Prefeitura de São Paulo”; novas leis…

Jazz em Paz: Groovin High (Dizzy Gillespie)

Background: Wolfgang Amadeus Mozart

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

LogEntry – I Dig it 005:: Mais informações e LINKS