Transcrição Ex Libris – S01e08

[Ciência] – Surto de sarampo afeta a Romênia em meio a baixas taxas de vacinação

Como de uma farsa financeira causa a uma situação de alerta mundial de custos inimagináveis tanto em dólares como em vidas humanas.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 8º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Ciência de 12 de out de 2018

Um surto recente de sarampo matou dezenas de bebês e crianças na Romênia, um país com 20 milhões de habitantes.  Algo como a grande São Paulo em termos populacionais. E o surto continuava nos meados de setembro com cerca de 200 novos casos registrados a cada semana.

Mas o surto de sarampo não é privilégio da Romênia. Esta doença e algumas outras muito perigosas, como a poliomielite voltaram, não na África – que nunca se livrou delas a contento – mas na Ásia, na Europa, na Oceania e agora na América do Sul. 

Os médicos romenos – fazendo eco aos seus colegas do mundo inteiro – afirmam que o aumento da doença é decorrência das baixas taxas de vacinação. Algumas celebridades romenas realizaram campanhas na mídia alertando sobre os perigos da falta de imunização, mas superstições que sustentam que tomar suco de repolho ou não limpar a casa são tão eficazes quanto tomar a vacina, deixam os médicos desesperados, tanto quanto os seus pares brasileiros que não sabem lidar com as pessoas que acreditam mais nas informações que recebem pelo whatsapp de amigos e familiares do que nas campanhas do governo e noticiários de tv.

Bem, voltando à Romênia… Alguns médicos tem sinalizado que em algumas regiões e momentos não há estoque suficiente de vacinas. O que não ajuda em nada o controle, a inoculação e a proteção das áreas afetadas. Alexandru Rafila, chefe de laboratório do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas de Bucareste, disse à Associated Press, que a doença altamente contagiosa se espalhou mais rápido porque milhões de romenos trabalham no exterior, expondo-se a diferentes cepas do vírus. Quando voltam para casa iniciam um processo com multi-vetores em diferentes regiões. Ele disse que a doença apareceu pela primeira vez em uma comunidade de ciganos no noroeste da Romênia em 2016. Afirmou ainda que a cepa da doença era estranha à Romênia, mas frequentemente encontrada na Itália.

Cerca de 13.700 pessoas na Romênia contraíram sarampo desde o início da epidemia em 2016, e 55 morreram, segundo o Centro Nacional de Supervisão e Controle de Doenças Transmissíveis. A Organização Mundial de Saúde recomenda um nível de vacinação de 95%; a Romênia tem uma das taxas mais baixas da Europa – menos de 84%. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças disse que o número de casos de sarampo em todo o continente triplicou no ano passado, com a Romênia, a Ucrânia e a Itália sendo os países mais afetados.

Médicos como Alexandru também se deparam com celebridades como Olivia Steer, uma personalidade da televisão romena, que promoveu publicamente uma postura anti-vacina. Viu Jim Carrey que merda você ajudou a fazer! “Infelizmente, há um apetite por algo sensacional”, disse Alexandru. “As pessoas que se opõem à vacinação são promovidas (na mídia) de uma forma que, digamos, é antiética”. A celebridade citada pelo médico, Olivia Steer se recusou a falar sobre seus pontos de vista anti-vacina  com a imprensa internacional.

Aquela velha e antiga pesquisa falsa publicada há 20 anos que ligava a vacina ao autismo foi desacreditada, mas o susto deixou algumas pessoas desconfiadas, disseram médicos romenos. Caso você não saiba que raio de pesquisa falsa é essa falarei rapidamente sobre ela no final deste podcast. 

Em Chitila, uma pequena cidade ao norte de Bucareste, a pediatra Daniela Stefanescu enfrentou a desconfiança de inúmeros habitantes na sua tentativa de vacinar  bebês contra sarampo e caxumba. Stefanescu disse que o alto número de mortes por sarampo fez com que as pessoas da região que a princípio se mostraram céticas, reconsiderassem sobre a possibilidade de vacinação. Stefania Pena, 28 anos, uma das pessoas reticentes acabou imunizando seu filho de 1 ano, apesar de ter dúvidas, afirmou: “Eu li sobre crianças que morrem de sarampo e fiquei com medo”.

Enquanto isso aqui no Brasil… Até 3 de setembro, foram 1.579 casos de sarampo confirmados em todo país. O Brasil enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas que já computa 1.232 casos e 7.439 em investigação, e em Roraima, com o registro de 301 casos da doença, sendo que 74 continuam em investigação. Entre os confirmados em Roraima, alguns são de pessoas oriundas da Venezuela. Estes surtos estão definitivamente relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.  Alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (2 casos), 18 casos no Rio de Janeiro; 18 também no Rio Grande do Sul; 2 casos em Rondônia, 4 em Pernambuco e 2 no Pará.

O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos Estados. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados. Até o início de setembro, no Brasil, foram confirmados 8 óbitos por sarampo, sendo 4 óbitos no estado de Roraima (3 estrangeiros e 1 brasileiro) e 4 óbitos no estado do Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 2 do município de Autazes). Até o início de setembro, a média nacional de vacinação era de 76%. Em todo o país, 11 estados estavam abaixo da média nacional de cobertura vacinal da Campanha de Vacinação Contra a poliomielite e sarampo. O Rio de Janeiro estava com o menor índice de vacinação, seguido por Roraima, Distrito Federal, Pará, Amazonas, Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Piauí e São Paulo. A orientação foi para que os gestores locais fizessem a vacina ser aplicada mais rapidamente possível em mais de 2 milhões de crianças de 1 a 5 anos incompletos, que até meados de setembro não haviam sido protegidas contra sarampo e poliomielite. Esses 11 estados intensificaram suas ações de vacinação para alcançar a meta da campanha, de vacinar 95% do público-alvo. É só por meio da vacinação que pode-se impedir que doenças já eliminadas retornem ao Brasil.

Ainda no início de setembro o estado do Amapá atingiu a meta do Ministério da Saúde, de vacinar 95% do público-alvo. As capitais Macapá e Porto Velho superaram a meta da campanha. Macapá vacinou 100,3% para pólio e 99,8% para o sarampo e Porto Velho 98,3% pólio e para sarampo. Já Manaus, que iniciou a vacinação antes devido o surto de sarampo na região, já atingiu a meta de vacinação para a doença com 103% de cobertura.

Preciso explicar o porque do índice ser superior a 100%.? Lembra que a vacina era pra crianças de 1 a 5 anos incompletos… pois bem, se vacinou criança com mais de 5 anos, passou de 100%

Então sobre o caso que originou essa onda anti-vacina: Há 20 anos, em 1998, um médico britânico Andrew Wakefield – consultor honorário em gastroenterologia experimental no London’s Royal Free Hospital  – afirmou em uma pesquisa publicada na revista The Lancet – que se provou fraudulenta – que a vacina contra sarampo, rubéola e caxumba (MMR) tinha relação com o desenvolvimento de autismo em crianças. Muito dinheiro em novas pesquisas e muitas  declarações ponderadas depois comprovando a fraude da pesquisa original não foram suficientes para aplacar a boataria da época, as teorias de conspiração que se seguiram, nem a desconfiança atual de milhões de pessoas. Mesmo com a divulgação em 2004 da descoberta, que antes da publicação do artigo na Lancet, em 1998, o safado do Andrew havia feito um pedido de patente para uma vacina contra sarampo que concorreria com a MMR. Tadá!

A revista The Lancet publicou uma retratação só em 2010 por conta do artigo, e só depois do Wakefield ter sido considerado, também em 2010, “desonesto” enquanto realizava a pesquisa e por isso condenado a perder seu registro de médico por má conduta profissional pelo Conselho Geral de Medicina britânico (parece nosso brasilzinho, né?).

Então, você que ouve podcasts, é antenado, se informe sobre as campanhas e estruturas de vacinação e leve a palavra, ou melhor, explique para aquela mãe renitente a importância da vacinação e como deve fazer para garantir a segurança de seus filhos. Por fim, jamais tente explicar isso para um pai, ele nem sabe onde é o posto de saúde e nunca sabe onde está a carteira de vacinação.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais. Um podcast rápido e ligeiro sobre Ciência, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e08 – Ciência

S01e08 Measles

Surto de sarampo afeta a Romênia em meio a baixas taxas de vacinação

Como de uma farsa financeira causa a uma situação de alerta mundial de custos inimagináveis tanto em dólares como em vidas humanas.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e07

[Comportamento Humano] – O pensamento neopentecostal na sublimação de extremos.

Nada como o amor cristão demonstrar verdadeiramente sua face social e os seus caminhos na defesa da moral, família e bons costumes, e a ética que se lasque.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 7º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que goste do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Comportamento Humano de 09 de outubro de 2018

Nada mais maluco que pastor evangélico apoiar Jair Bolsonaro… ou não?

Nestas últimas décadas desde a redemocratização e o crescimento vertiginoso das igrejas neopentecostais, tanto do seu matiz – digamos – administrativo como do seu pragmatismo e envolvimento político, foi possível observar um movimento coordenado do cristianismo dito evangélico ou protestante em dois momentos distintos:

O primeiro foi na grande polarização onde o país se dividiu entre os que defendiam Lula e os que defendiam Collor lá nos idos de 1989, em nossa 1ª eleição direta após uma sufocante e voraz ditadura militar. Muitos pastores defenderam publicamente ambos os candidatos, e era visível um apoio mais envergonhado ao Collor e um mais entusiasmado no Lula por entenderem que o metalúrgico era uma melhor opção para os pobres. Nenhum dos seus defesores foi achincalhado ou defenestrado pelos seus pares. De lá para cá, a realidade mudou demasiadamente e parece que só tende a piorar.  

O segundo movimento – vigoroso, perfeitamente visível agora, resultante de um processo firme e eficiente de estruturação de um poder evangélico de viés político, com ramificações em todos os setores estratégicos, das comunicações à indústria, das confederações nacionais  ao Senado – patrocina e fomenta uma dicotomia a quem pintam como ideológica, mas como sempre, não passa de pura propaganda. Vários pastores – das tribunas de seus cargos políticos e de seus púlpitos – exortam seus rebanhos ao voto maciço para quem defende e enaltece torturadores, apoia e propaga discursos de ódio a desfavorecidos ou de outro sexo, renega a existência da ditadura e apoia estado de exceção, isso para falar o mínimo.  

Desde a ascensão de movimentos heterodoxos como o dos neopentecostais, que se firmam mais na avaliação literal da bíblia fundamentados em uma metodologia de cobrança financeira e troca teológica, o “caldo” do ódio dentro das igrejas começou a entornar.  Duas dessas escolas de gestão de igrejas evangélicas, que chamo de teologias rasas, filhas dos cultos  neopentecostais importados dos Estados Unidos, são o triunfalismo e a teologia da prosperidade. Ambas têm grande responsabilidade sobre o pensamento e os discursos de ódio propagado pelos chamados ‘cristãos modernos’.

A chamada “teologia da prosperidade” nega qualquer tipo de sofrimento comum a que o homem nesta terra, inevitavelmente, esteja submetido. Culpa o pobre pela sua pobreza, o doente pela sua doença, o inválido pela sua invalidez. Contraria um simples ensino gravado nos evangelhos tão sagrados aos seus fiéis, quando com simplicidade ímpar Jesus diz que “…faz que o seu sol se levante sobre os maus e bons, e a chuva desça sobre os justos e injustos.” (Mateus 5:45). Também não explica como o apóstolo Paulo, um dos homens da Bíblia de maior fé, sofria e era pobre (II Coríntios 6:10).

Irmã dessa escola nefasta, o triunfalismo advoga que os cristãos têm que dominar o mundo presente, atuando na política, na economia, nas artes, nos negócios a fim de que o cristianismo triunfe sobre as demais religiões e estabeleça o “governo do justo”, impondo os princípios ditos cristãos ao mundo, rivalizando com o estado laico que o próprio protestantismo reformado da Europa ajudou a criar. E tome bancada evangélica no Congresso… Esse ensino se contrapõe de maneira muito clara ao evangelho cristão, quando o próprio Jesus, novamente, ao ser inquirido por Pilatos, disse: “O meu Reino não é deste mundo” (João 18:36). Mas você crê que eles estão se importando com tais incongruências entre a teoria e a praxis por eles mesmos defendidas?

Toda essa falsa doutrina, como já disse, importada dos Estados Unidos, apenas comprova a teoria de que uma boa teologia é destilada na Alemanha, envelhecida na Inglaterra, apodrecida nos Estados Unidos e consumida nos países subdesenvolvidos do hemisfério sul. Por isso, é necessário mostrar as contradições do atual discurso do “cidadão de bem”, “conservador”, “cristão” e “defensor da vida” e da “família tradicional” em relação ao simples e puro texto que eles tanto santificam, prezam, divulgam, decoram e repetem exaustivamente a todos e a qualquer um, queira este ou não. Mas basta apenas comparar o texto do Evangelho com as atuais falas de ódio? Será que é assim que são desmascarados aqueles que usam a massa ignorante evangélica como palanque e lastro para seus projetos de poder? Não sei… como fazer com estes “cristãos conservadores”, tão apegados a frases como: 

  • “bandido bom é bandido morto”, 
  • “tem é que prender mais e não dar direito algum a vagabundo” 
  • “cota jamais” 
  • “quem defende criminoso é vagabundo”.

A raivosidade extrema, o ódio dos que responsabilizam o outro lado (que por sinal estava morto, abandonado, totalmente desacreditado e quase extinto) por todas as dores e sofrimentos existentes neste vale de lágrimas que se tornou nossa sociedade, é uma doença do espírito. Obnubila a inteligência, produz fanatismo e estupidez, e induz as almas incautas ao mais relinchante bolsonarismo.

Querem prova de que a raivosidade fomentada pelos evangélicos à ala progressista – defensora do estado laico, do pessoal mais à esquerda do pensamento econômico – é estúpida e autodestrutiva? Bastam duas evidências:

O primeiro grande feito do extremismo apoiado inflamadamente pelos líderes evangélicos nesta eleição foi aniquilar as candidaturas de direita e de centro. Acabou… tudo virou pó. Ou melhor, aqueles que desde o regime militar apoiam fisiologicamente (portanto não dá pra falar se esquerda ou direita) qualquer um, estão salvos e ilesos. Saíram da alça de mira… Sarneys, Jucás, Calheiros, Magalhães, Nogueiras, até o Dória… todo mundo na surdina… uns não foram eleitos, outros foram. E para piorar, o que havia de bom nas hostes centristas, foi de roldão. Todas as agendas voltadas para uma substituição construtiva e consequente da hegemonia petista foram asfixiadas pela ânsia “moral” e pela pauta feroz da extrema-direita. O inerte PSDB – desde 2002 – tentou vestir esta indumentária, agora, no Picolé de Chuchu e não deu muito certo. Quem diria, a direita destruiu o PSDB… A turma defensora da Escola sem Partido, que identifica qualquer traço de propósito ou postura fora da agenda evangélica cristã a determinação de um petralha, seja este eleitor do Ciro ou da Marina – não identifica a crise econômica e os problemas sociais, como o grande problema brasileiro, mas sim um grave problema é a erotização das crianças, a homossexualidade – eu adoro quando eles citam sem saber ao certo o que seja que são contra a ideologia de gênero – e também é um problemão essa mania de as mulheres pensarem que são iguais aos homens. 

Em segundo lugar: o radicalismo desse pessoal é tão burro e tão inconsequente que já tendo conseguido o feito de ressuscitar a força eleitoral de um PT semi-destruído, agora vai realizando a proeza de uma provável, possível, quem sabe eleição do Haddad.

Como corolário à esta tese reproduzo um daqueles textões gratuitos do Facebook, o qual ilustra e atesta perfeitamente o aqui exposto. É a cereja do bolo, vou ler como foi escrito, desculpe se não fizer sentido:

“E que comece o mimimi e as amizades de FB desfeitas… coisa que não tolero é hipocrisia, falso moralismo.

Meu voto é sim do BOLSONARO e sabe o porquê: 

  • – porque tô cansada de viver em um país onde bandidos tem direitos e a gente de bem tem que viver com medo e trancada; 
  • – porque tô cansada de viver em um país onde os costumes da família estão sendo deixados de lado; 
  • – porque estou cansada de ver noticiário com invasão de MST e tudo o mais de sem-qualquer-coisa por aí; 
  • – porque tô de saco cheio de ver meu país sendo invadido pelo povo que coloca comunista no poder e depois não aguenta e vem fazer baderna aqui; 
  • – porque tô cansada de ver nossos jovens perdendo espaço nas universidades por conta de cotas pra quem não tem base escolar, o problema é mais embaixo é na educação fundamental. 

Votar no Bolsonaro e se ele for eleito essas coisas serão resolvidas? Não sei, a única coisa que sei é que não dá mais para ser governado por guerrilheiro, assaltante de banco, analfabeto e bandido e essa vai ser minha opção para mudança.

Ah e ainda vai ter quem diga que eu não vivi o regime militar, é de fato não o vivi, mas se estou aqui é porque meus pais o viveram e sobreviveram, sabe por que? Porque enquanto o exército tava na rua colocando ordem meu pai estava trabalhado.”

Como há anos eu digo, a incompetência política e a estupidez humana se encarregam de ressuscitar ideologias arcaicas e amoralidades.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Comportamento Humano, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e07 – Comportamento Humano

s01e07 Evangelicals

O pensamento neopentecostal na sublimação de extremos.

Nada como o amor cristão demonstrar verdadeiramente sua face social e os seus caminhos na defesa da moral, família e bons costumes, e a ética que se lasque.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e06

[Política] – Capitalização da Previdência, o plano de 5 candidatos

Um dos grandes problemas deste país é, se sabe há mais de 50 anos, o desequilíbrio orçamentário do governo federal, daquilo que chamamos de Estado. Aqui vou arranhar a superfície de parte do problema que origina um déficit de cerca de 320 bilhões de reais para o ano de 2019.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 6º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto,  basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post desse episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todos os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Política de 05 de out de 2018

A Capitalização da Previdência é o modelo que acaba com ideia de que uma geração mais nova paga a aposentadoria de outra mais antiga e aposta na probabilidade de que o cidadão garantirá o próprio futuro.

O sistema previdenciário brasileiro tem um desequilíbrio absurdo quando se considera em balanço os números  relativos à esfera federal e os números relativos aos trabalhadores da iniciativa privada. Eu vou deixar os militares de fora por enquanto… é de bom alvitre sempre deixá-los lá na caserna, fazendo o que lhes é devido constitucionalmente. 

Esse desequilíbrio provoca um gasto crescente com aposentadorias e pensões. O dinheiro arrecadado exclusivamente com as contribuições diretas dos trabalhadores que estão na ativa não fecha a conta. Quer um exemplo? Então: em 2015 o pagamento de aposentados e pensões apenas da esfera da União demandou R$ 105 bilhões. As contribuições previdenciárias de quem estava na ativa, cerca de 1 milhão de pessoas, não cobriram nem de longe esse valor: somaram R$ 13 bilhões. A enorme diferença gerou um déficit perto de R$ 93 bilhões. Estes 105 bilhões em 2015 pagaram cerca de 1 milhão também de funcionários públicos federais só que  aposentados e beneficiários.

Do lado do iniciativa privada, o déficit do INSS, foi algo bem parecido em termos de valores, o déficit de 2015 foi de R$ 90 bilhões. Só que a arrecadação foi de cerca de R$ 450 bilhões e o valor total cercade 540 bilhões, total este que corresponde ao pagamento feito para quase 33 milhões de beneficiários. Eu sei você tá fazendo contas… deixa eu te ajudar:

105 bi dividido por 1 mi dá em média algo como R$ 8.750,00 / mês p/ cada servidor público federal aposentado ou pensionista.

Já do lado do INSS, da iniciativa privada: 540 bi dividido por 33 mi dá em média R$ 1.365,00 / mês p/ cada aposentado ou pensionista do INSS.

Mas não fique com raiva ainda… Devo lembrar que o sistema previdenciário não possui 3 caixas distintos – um caixa para os militares, outro para os servidores públicos e outro para os pobres mortais – tudo é um caixa só. Então advinha quem pagou este rombo de 183 bilhões em 2015 (e vem pagando desde 1965, na realidade, e continuará pagando por um bom tempo)? 

Para 2019 este rombo está previsto, já no orçamento aprovado, em 320 bilhões… de reais.

O Brasil inventado por esse loucos que pedem seus votos é igualzinho a um… ah…  deixa eu achar uma boa analogia… hum… achei! Um prédio de apartamentos na praia, isso mesmo, um Condomínio onde todas as unidades são idênticas com o mesmo valor venal e de compra, só que enquanto você trabalhador que conseguiu, a duras custas, comprar um apartamentozinho para alugar e recebe de aluguel o equivalente a 1.000 reais, o funcionário público recebe pelo apartamento idêntico ao seu a quantia de 6.410 reais. Se o trabalhador alugar por 2 mil, o funcionário público vai receber R$ 12.820. Bacana, né?!

E não adianta reclamar é Lei! Ou melhor, quase Lei, mas por meio de mecanismos legais (e mais uma ajudinha do Judiciário que é um dos interessados em manter o atrelamento ao salário mínimo) eles sempre conseguem manter a proporção. Aumentou salário mínimo, aumenta o do funcionalismo público.

Azar o seu que não entrou via concurso, nepotismo, ou notório saber para a casta do Funcionalismo Público Federal. Te vira aí.

Estamos em 2018 e o déficit da Previdência só aumenta, ou seja é uma bomba relógio – então… quem pagou e continua pagando essa dívida do governo são – surpresa! – os bancos, pois é… eles financiam o Tesouro Nacional, comprando do governo suas promessas de pagamento futuro (os famosos títulos do governo)  endividando internamente o Estado mais um pouquinho… afinal taxa de juros é taxa de juros.

No fim mesmo, você acertou, quem paga os aposentados e beneficiários somos nós mesmos com  nosso desvalorizado dinheirinho, esse mesmo dinheirinho que paga os juros de lojas, as tarifas e taxas malucas – tanto do mercado, como do governo -, o mesmo dinheirinho que é movimentado sem o seu aval e dá lucro no mercado de derivativos para as fintechs, sustenta igualmente alavancagens e empréstimos futuros de bancões, e claro que paga às instituições financeiras os maiores juros do mundo em qualquer operação de crédito bancário. Legal, muito legal…

A situação se agrava, e muito, quando se considera a falta de visão dos antigos chefes deste mesmo pessoal que idolatra o Estado Brasileiro de exceção lá de 1964. Não houve estruturação sustentável, e muito menos vontade de alterar algo para que parasse em pé essa cadeira de 2 pernas que é o sistema previdenciário brasileiro. A turma de túnica verde e coturno nem se importou nos impactos do aumento e envelhecimento da população e muito menos com o impacto previsível do aumento da expectativa de vida. Deu no que deu…

O FHC e sua turma alteraram bastante o regime de aposentadoria dos civis não-servidores públicos em 1998. Ou seja, fizeram a gente pagar mais um pouquinho da dívida e a perder mais um pouquinho da aposentadoria – o famoso fator previdenciário apareceu aí. Já para os militares e servidores públicos, ambos da ativa, eles só deram uma mexidinha no percentual da contribuição previdenciária. Para essa turma o tempo e forma de validações para aposentar e os valores dos benefícios não foram alterados em nada, na realidade até aumentaram. O candidato do PSL, p. ex., se aposentou com 17 anos de serviços prestados ao Exército – vai você lá, engenheiro, designer, front-end vai lá no INSS tentar se aposentar após 17 anos de contribuição pra ver se você consegue.

Michel Temer, em nome dos interesses mais escusos que eu possa imaginar, mas que jamais eu vou declarar,  tentou aprovar – graças aos deuses de forma bastante  equivocada – uma reforma canalha que impunha uma idade mínima de aposentadoria — igual para homens e mulheres, trabalhadores dos setores público e privado, dos regimes urbano e rural. Uma zona! Mas, cercado muito mais pela crise de representatividade política e por denúncias criminais, nosso presidente decorativo não conseguiu os ahn…parceiros para aprovar a aberração no Congresso.

Nessa eleição de 2018, a reforma da Previdência aparece como um tema mais que incômodo para os candidatos ao Palácio do Planalto. Tem candidatíssimo sabor chuchu que nem tocou no assunto no plano de marketing, ah desculpa, no plano de governo apresentado à Justiça Eleitoral.

Boa parte concorda que o déficit crescente da área é um problema a ser resolvido pelo próximo presidente da República. Eles discordam, no entanto, sobre como resolver a questão. Cada um tem uma ideia diferente.

Pelo menos cinco candidatos defendem abertamente a adoção de um novo modelo de Previdência no Brasil, chamado “regime de capitalização”, que é diferente do modelo em vigor hoje.

Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Alvaro Dias (Pode) colocaram o modelo em suas propostas para a área da Previdência, incluídas nos planos de governo entregues à Justiça Eleitoral. Geraldo Alckmin (PSDB) apesar de nada dizer sobre isto no seu plano, como já afirmei, defendeu este modelo publicamente há pouco tempo. E o que cada um deles dizem a respeito em seus planos de governo? Bem…

O plano do Bolsonaro afirma que: “A grande novidade será a introdução de um sistema com contas individuais de capitalização. Novos participantes terão a possibilidade de optar entre os sistemas novo e velho. E aqueles que optarem pela capitalização merecerão o benefício da redução dos encargos trabalhistas”

No da Marina tem-se o seguinte parágrafo: “Defendemos um processo de transição para um sistema misto de contribuição e capitalização, a ser implementado com responsabilidade do ponto de vista fiscal”

Já no plano do Ciro é dito que: “Defendemos a implementação de um sistema previdenciário multipilar capitalizado, em que o primeiro pilar, financiado pelo Tesouro, seria dedicado às políticas assistenciais; o segundo pilar corresponderia a um regime previdenciário de repartição com parâmetros ajustados em relação à situação atual; e o terceiro pilar equivaleria a um regime de capitalização em contas individuais”

E no plano do Alvaro Dias é dito que: “Defendemos o fomento à poupança e ao mercado de capitais por meio de uma nova previdência social que capitalizará os participantes e que democratizará a posse dos ativos estatais e forte incentivo ao investimento”

O atual regime é chamado de Repartição. E a diferença básica entre os dois modelos está no destino do dinheiro do contribuinte. O trabalhador da ativa hoje paga os benefícios de quem já está aposentado. E quem pagará sua aposentadoria, no futuro, é quem estiver trabalhando quando este tempo chegar.

Atualmente, há mais trabalhadores contribuindo para um número reduzido de aposentados, proporção de  cinco na ativa para um idoso – e mesmo assim há um deficit, pela metodologia historicamente usada pelo Ministério da Previdência e pela distribuição entre serviço público federal e os trabalhadores da iniciativa privada. A questão é que parcela da população brasileira com mais de 65 anos deve passar, segundo o IBGE, dos atuais 9,2% para 25,5% em 2060.

Enquanto o sistema atual se manter o deficit será cada vez maior. Aí, só há duas saídas: ou o governo continua bancando a diferença e reservando para isso uma fatia cada vez maior do Orçamento (em 2017, foram já 21% da despesa primária) ou diminui os gastos, reduzindo as aposentadorias.

[parênteses] – Gostaria de esclarecer o que é despesa primária – Despesa primária é aquela em que o governo não considera os efeitos financeiros, decorrentes dos juros. Portanto, é a primeira despesa do governo, aquela que ele dispõe para executar suas políticas públicas e pagar o funcionalismo. Ao emprestar dinheiro de um banco, o governo  arrecada uma receita, mas terá dois encargos: o saldo principal a amortizar e os juros. Como todos nós quando fazemos um empréstimo bancário. Essa despesa com juros é denominada de nominal, e não entra no cálculo do resultado primário. A despesa primária para 2019 é orçada em 1,7 trilhões de reais e paga o que deve pagar; a despesa financeira paga o refinanciamento, a amortização e os juros da dívida, e é “só” de 1,6 trilhões. Ou seja, o governo brasileiro é um pai desastrado de família que usa 50% do seu dinheiro para pagar o mínimo do empréstimo bancário, fazer um novo empréstimo; e com os outros 50% pagar “mal pra buroo” as despesas descontroladas de uma família de 4 pessoas consumistas com 24 empregados em regime semi-escravo. [fecha parênteses]

O regime de capitalização poderia ser traduzido como um  regime de poupança. A ideia base do modelo é que cada trabalhador guarde dinheiro para sua própria aposentadoria no futuro. O dinheiro pode sair de uma contribuição da empresa que registra o trabalhador. Em alguns casos, o trabalhador pode complementar a contribuição, mais ou menos nos moldes do que acontece hoje em fundos de pensão. Em outros casos, a contribuição pode vir somente do próprio trabalhador.

A grande dificuldade na implantação de um regime de capitalização previdenciária é a transição, ou seja,  os custos econômicos, financeiros e políticos da implantação desse regime de capitalização. Os economistas dos candidatos fazem cálculos e tentam estimar o chamado Custo de Transição, mas ainda não há nem um número especulativo. 

Não é difícil entender os motivos que tornam a implantação cara em um primeiro momento. Imagine só a implantação em paralelo de todo o sistema de administração e controle das contas de milhões de trabalhadores (duvide-o-dó que servidores públicos e militares sejam atingidos por essa mudança de regime logo de cara). 

A ideia da capitalização é criar um sistema previdenciário que nasça sem deficit. Nele, os trabalhadores estarão poupando para pagar sua própria aposentadoria no futuro. A questão é que os aposentados de hoje continuam existindo e precisando de financiamento. Principalmente os caros servidores públicos e militares.

O que o regime de capitalização faz, em um primeiro momento, é apenas retirar receitas do sistema. Ou seja, uma vez implantado, o regime de capitalização vai diminuir o número de contribuintes para o atual sistema, e o número de beneficiários do atual sistema vai continuar igual (na verdade, aumentando a cada ano até se aposentarem os primeiros trabalhadores do novo regime).

A proposta de capitalização pode ser implantada de várias maneiras, mas sempre respeitando a ideia de que o trabalhador contribui para si mesmo. Os modelos apresentados pelos presidenciáveis têm algumas variações.

  • O economista do Bolsonaro, o Paulo Guedes, diz que o governo quer garantir um rendimento para quem não contribuiu. O valor seria menor que o salário mínimo e maior que o Bolsa Família. Note que ele pressupõe que seja pessoa comum, pois não há no serviço público nem no regime militar benefício de 1 salário mínimo e muito menos Bolsa Família, né?
  • Já Alvaro Dias quer criar um fundo para recolher as contribuições de patrões e empregados e investir ali também o dinheiro que pretende arrecadar com privatizações de estatais para incentivar a adesão. Novamente, nem uma palavra sobre o desequilíbrio que funcionalismo público e militares causam na balança previdenciária.
  • A proposta de Ciro Gomes é a implantação de um sistema misto. Os benefícios sociais seriam bancados pelo Estado e os pagamentos até o teto do INSS (hoje em torno de R$ 5,645) continuaria no sistema atual. A capitalização seria adotada para quem recebe mais do que isso, no setor público ou privado. Aleluia! Um falou do funcionalismo público.
  • Marina Silva – como sempre, divaga em seus objetivos – ela defende fazer uma “transição” para que o regime de capitalização seja implantado no futuro. Sem precisar estratégia, valores ou volumes, nada… só marinando.

Nessa altura do campeonato você deve estar perguntando qual seriam os prós e contras da Capitalização?

Pois bem, a favor posso dizer que além de proteger contra mudanças demográficas, uma vantagem do sistema de capitalização é que ele aumenta a poupança de um país. A partir do momento em que o dinheiro é arrecadado para a aposentadoria, ele pode ser investido pelo gestor dos recursos — seja ele público ou privado. A característica da poupança para aposentadoria é o investimento para o longo prazo. Assim, esse dinheiro poderia ser aplicado em vários tipos de projetos, sendo um incentivo para o desenvolvimento da economia do país.

E contra, além do problema de transição, haverá certamente uma grande dificuldade para os mais pobres. Em um mercado sem estabilidade de emprego, principalmente entre as pessoas pouco qualificadas, o risco é que o trabalhador não consiga acumular uma quantia suficiente para bancar sua aposentadoria. Nesse caso, ou o Estado deixa esse trabalhador apenas com o que poupou, ou lhe garante um mínimo e continua deficitário em relação a ele.

Lembro agora que em janeiro de 2004, a Lei 10.835, proposta pelo então senador Eduardo Suplicy e aprovada pelo Congresso, foi sancionada pela presidência da república, instituindo a renda básica de cidadania. De acordo com a lei, todos os brasileiros e estrangeiros residentes há pelo menos cinco anos no país devem receber um benefício monetário suficiente para atender às despesas mínimas com alimentação, educação e saúde. O programa Bolsa Família sempre foi  considerado pelo senador como um dos passos necessários para alcançar esse objetivo. Entretanto, como muitas das Leis aprovadas esta até hoje ainda não foi implementada, e advinha qual é a desculpa do governo? O cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal que exige que para cada despesa do orçamento haja uma receita que a garanta. Agora, abrir mão de impostos e oferecer outros  subsídios ao setor produtivo em valores 30% a mais que o orçamento anual da Bolsa Família… tudo bem né gente?

Por exemplo, no caso concreto do Chile, o deficit da Previdência não é um problema para o setor público e o custo da transição já foi superado. O projeto foi implantado ainda durante a ditadura do general Augusto Pinochet, na década de 1980. O que não é indicador de coisa boa, mas vamos lá. Tudo andou meio que tranquilo desde então, porém, atualmente, o sistema enfrenta seus primeiros problemas. No Chile, não há contribuições do Estado ou de empregadores. Cada trabalhador é obrigado a depositar pelo menos 10% do salário por 20 anos para ter direito à aposentadoria. A falta de recursos para os mais pobres foi o estopim para a crise do sistema previdenciário do Chile, vale lembrar, o primeiro país do mundo a adotar um regime de capitalização. Os primeiros contribuintes se aposentaram recentemente e segundo dados publicados em 2017, 9 em cada 10 beneficiários recebiam um valor inferior a 56% do salário mínimo chileno, que equivale – para quem tem entre 18 e 65 anos – pouco mais de 1.500 pesos mensais, ou seja coisa de R$ 850. Fazendo as contas, 9 em cada 10 beneficiários chilenos recebem menos de R$ 476.

E pra terminar reforço minha observação sobre o real problema de nosso brasilzinho, sobre o desequilíbrio que o funcionalismo público provoca:  Segundo o Ministério do Planejamento, o governo federal – nos três Poderes (executivo, legislativo e judiciário) – tinha em 2015 o total de 2.195.154 servidores públicos em sua folha. Deste total, 55,3% estavam trabalhando, 26% eram aposentados e 18,7% pensionistas. O total da folha de pagamento do governo em 2015 foi de R$ 255,3 bilhões – cerca de 5,6% do PIB – dos quais R$ 151,7 bilhões de salários para funcionários da ativa, R$ 66,2 bilhões de aposentadorias e R$ 37,3 bilhões de pensões. O que dava em média cerca de R$ 9.700 mensais para cada um dos ativos, aposentados e pensionistas do serviço público. 

Considerando os dados da LDO, do orçamento, de 2019, onde o governo estima um gasto de R$ 321 bilhões com cerca de 2,2 milhões servidores públicos ativos, aposentados ou pensionistas, dá pra atualizar a média mensal… o que dá uma renda de R$ 12 mil para cada servidor aproximadamente. 

Desculpe, mas não tive estômago para ir até o portal da transparência e ficar caçando pedacinho por pedacinho de informação para montar um quadro mais detalhado. Tenho certeza, e nem preciso fazer muita conta para perceber que em média o beneficiário do INSS não recebe mensalmente algo muito maior do que 1,8 mil reais.

E essa turma querendo achar mais um jeito dos cidadãos de 2ª categoria pagarem as contas.

Política é isso desde sempre, a elite vive do que os escravos produzem e pagam, o agente político vez ou outra tira um dos bodes que convivem com uma multidão em uma sala de 15 m2 e a maioria das pessoas ficam felizes.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, acabou. Hoje foi um pouco longo… Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a gente manter esse  podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e06 – Política

S01e06 LDO 2019

Capitalização da Previdência, o plano de 5 candidatos

Um dos grandes problemas deste país é, se sabe há mais de 50 anos, o desequilíbrio orçamentário do governo federal, daquilo que chamamos de Estado. Aqui vou arranhar a superfície de parte do problema que origina um déficit de cerca de 320 bilhões de reais para o ano de 2019.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e05

[Cultura] – Obras de três continentes narram o tráfico de escravos africanos

130 anos e ainda temos muito o que corrigir em nossa história cercana. Não somos, em nossa maioria, natos deste pedaço de terra americana, somos em parte invasores, brancos, escravos, negros, mulatos.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 5º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar as observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utiliza outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Cultura de 02 de out de 2018

Cerca de cinco séculos após o início da chegada de povos escravizados da África às Américas, as rotas, as influências culturais, a miscigenação e as histórias da escravidão negra são temas de uma das maiores exposições de arte realizadas nos últimos anos pelo Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, o Masp.

Em parceria com o Instituto Tomie Ohtake, foi inaugurada nos fins de junho a exposição Histórias Afro-Atlânticas que tem encerramento previsto para 21 de outubro de 2018. Corre que dá tempo!

“Nos navios negreiros vieram não só pessoas escravizadas, mas símbolos, culturas, religiões e filosofias”, explica uma das curadoras da exposição, a historiadora Lilia Moritz Schwarcz, que montou esta  mostra com mais quatro nomes, Adriano Pedrosa, Ayrson Heráclito, Hélio Menezes e Tomás Toledo. “Esse circuito, como definiu Pierre Verger – etnólogo, fotógrafo e babalaô franco-baiano – criou não apenas fluxos, mas também refluxos.” 

A ideia de trazer as narrativas afro-atlânticas veio a partir da exposição Histórias Mestiças feita por Lilia Schwarcz e Adriano Pedrosa no Tomie Ohtake em 2014; exposição esta que originou dois projetos: As Histórias da Escravidão e as Histórias Indígenas. 

A ampliação da discussão para narrativas afro-atlânticas veio após a realização de um seminário sobre o tema em 2016. As Histórias Indígenas já é uma exposição programada para 2021.

No museu, o ano de 2018 está sendo dedicado integralmente às narrativas afro-atlânticas, desde as exposições individuais, como de Maria Auxiliadora, encerrada em junho, e a de Rubem Valentim, até palestras, eventos culturais e sessões de cinema. 

O estudo da curadoria para esta mostra resultou numa antologia, lançada com o catálogo da exposição, que reúne artigos e textos nacionais e internacionais sobre a questão, alguns inéditos em português. 

Para contar as histórias que envolvem três continentes, o MASP e o Tomie Ohtake contaram com importantes empréstimos de grandes coleções particulares e instituições, como a National Portrait Gallery de Londres, a Galleria degli Uffizi de Florença e o Metropolitan, de Nova York. 

Apesar de não ter sido pensada com esse propósito, a mostra ocorre nos 130 anos da abolição da escravidão no Brasil. Uma data tardia que precisa ser politizada, e que até agora – desculpe o trocadilho equivocado – passou em branco. 

A exposição não segue um ordenamento cronológico ou geográfico, sendo dividida em oito núcleos temáticos que abrangem diferentes tempos, territórios e suportes, nas duas instituições que coorganizam o projeto. 

No MASP: há 4 núcleos no 1º andar – MAPAS E MARGENS – COTIDIANOS – RITOS E RITMOS e RETRATOS; no 1º sub-solo: o núcleo MODERNISMOS AFRO-ATLÂNTICOS;  e no 2º subsolo: o núcleo ROTAS E TRANSES: ÁFRICAS, JAMAICA E BAHIA. No Instituto Tomie Ohtake estão os últimos 2 núcleos:  EMANCIPAÇÕES e RESISTÊNCIAS E ATIVISMOS.

Os núcleos discutem a questão negra com uma mistura de obras históricas e contemporâneas. No núcleo Emancipações do Tomei Ohtake, as imagens clássicas do francês Debret e do alemão Rugendas são confrontadas com os equipamentos de tortura, prova de que os povos africanos nunca aceitaram a escravidão pacificamente. É bom lembrar que desde o início da escravidão no Brasil, se tem registro de quilombos.

No núcleo Retratos lá no MASP, em oposição ao que é visto em museus ocidentais e europeus, o negro é colocado como protagonista. A dificuldade é a falta de registros históricos não só de artistas negros como de retratações dignificantes de pessoas negras. 

Para o setor, foram comissionados então dois trabalhos de Dalton Paula, que imaginou figuras históricas e quase sem registros, como a líder quilombola Zeferina da 1ª metade do século 19 e o alfaiate João de Deus Nascimento, um dos líderes da Conjuração Baiana nos fins do século 18. “A proposta é representar personagens esquecidos”, esclarece Tomás Toledo. 

Histórias afro-atlânticas apresenta uma seleção de 450 trabalhos de 214 artistas, do século 16 ao 21, em torno dos “fluxos e refluxos” entre a África, as Américas, o Caribe, e também a Europa. 

O Brasil é um território central nas histórias afro-atlânticas, pois recebeu aproximadamente 46% dos cerca de 12 milhões de africanos e africanas que desembarcaram compulsoriamente neste lado do Atlântico, ao longo de mais de 300 anos. 

Também foi o último país a abolir a escravidão mercantil com a Lei Áurea de 1888, que perversamente não previu um projeto de integração social, perpetuando até hoje desigualdades econômicas, políticas e raciais. 

Por outro lado, o protagonismo brasileiro nessas histórias fez com que aqui se desenvolvesse uma rica e profunda presença das culturas africanas.

Histórias afro-atlânticas parte do desejo e da necessidade de traçar paralelos, fricções e diálogos entre as culturas visuais dos territórios afro-atlânticos—suas vivências, criações, cultos e filosofias. 

O Atlântico Negro, na expressão de Paul Gilroy, é uma geografia sem fronteiras precisas, um campo fluído, em que experiências africanas invadem e ocupam outras nações, territórios e culturas.  

É importante levar em conta a noção plural e polifônica de “histórias”; esse termo que em português abrange tanto a ficção como a não ficção, as narrativas pessoais, políticas, econômicas, culturais e mitológicas. Assim, nossas histórias possuem uma qualidade processual, aberta e especulativa, em oposição ao caráter mais monolítico e definitivo das narrativas tradicionais. 

Neste sentido, a exposição não se propõe a esgotar um assunto tão extenso e complexo, mas antes a incitar novos debates e questionamentos, para que as histórias afro-atlânticas sejam reconsideradas, revistas e reescritas.

No MASP, a mostra contextualiza-se dentro de um ano de exposições, palestras, cursos, oficinas, publicações e programações de filmes em torno das histórias afro-atlânticas. 

O programa iniciou-se com as individuais de Maria Auxiliadora, Aleijadinho (de março a junho) e Emanoel Araujo (de abril a julho) e se completa com as de Melvin Edwards e Rubem Valentim (de agosto a novembro), Sonia Gomes (de Novembro de 2018 a fevereiro de 2019), Pedro Figari (de Novembro de 2018 a fevereiro de 2019) e Lucia Laguna (de Dezembro de 2018 a março de 2019). 

Parte fundamental desse projeto é a Antologia já citada e que reúne em livro textos de 44 autores, resultado de dois seminários internacionais realizados em 2016 e 2017. Desse modo, o museu se transforma, ele mesmo, em uma plataforma múltipla e diversa, plural e polifônica.

Caso você se interesse mais pelo assunto indico a obra do membro e ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, poeta ganhador do Prêmio Jabuti com a obra Ao lado de Vera em 1997, ensaísta, memorialista, historiador, atual orador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e agraciado com o Prêmio Camões de 2014, o diplomata Alberto Vasconcellos da Costa e Silva, considerado hoje em dia como o maior especialista brasileiro em África, autor de várias obras fundamentais para a compreensão da história do tráfico negreiro para a América, entre elas: 

  • A enxada e a lança: a África antes dos portugueses de 1992; 
  • A manilha e o Libambo: a África e a escravidão, de 1500 a 1700, publicado em 2002; 
  • Um rio chamado Atlântico de 2003; e 
  • Francisco Félix de Souza, mercador de escravos de 2004. 

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Cultura, acabou. 

Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e05 – Cultura

s01e03 African

Obras de três continentes narram o tráfico de escravos africanos

130 anos e ainda temos muito o que corrigir em nossa história cercana. Não somos, em nossa maioria, natos deste pedaço de terra americana, somos em parte invasores, brancos, escravos, negros, mulatos.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

Transcrição Ex Libris – S01e04

[Tecnologia] – Como conectar teclado e mouse sem fio da Apple ao Windows 10

O mundo da tecnologia tem suas idiossincrasias, e quando estas complicam a vida do usuário não tem jeito, os geeks precisam enfiar a mão na massa.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 4º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que tenha gostado do estilo e formato do Ex-Libris, um spin-off do Impressões Digitais que volta em breve. Aguardo comentários e emails, basta dar um pulo lá no site idigitais.com que tá tudo lá.

O Ex-Libris está disponível nos seguintes serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu agregador de podcasts. Os respectivos links estão publicados na 1ª página do idigitais.com. 

A partir de agora o Ex-Libris sobre Tecnologia de 28 de setembro de 2018 começou

Eu sei você estava esperando que logo na estreia eu fosse fundo no estado da arte da tecnologia atual. 

Pois é… não é bem assim…

Considerando-se que pode-se tratar como tecnologia até a linguagem humana… Atenção, eu disse a Linguagem e não a Língua, isso é outro assunto do qual eu conheço muito pouco e, cá entre nós, mesmo me permitindo a nóis, ‘tá, né… torço meu nariz para coisas já socialmente  aceitáveis como “é pra mim fazer?”, “mãs”, “tóchico”, e o famoso “eu vou cazamiga”… 

Língua, mesmo que viva e evolutiva, tem sua base numa linguagem, ambas buscam comunicação, enquanto a língua incorpora significados a linguagem implementa e qualifica termos com significância de modo a transmitir estes mesmos termos e evitar distorções imediatas.

Mas peraí! Filosofando sobre Linguística é demais e não é o tema deste podcast. 

Vou tratar hoje de algo relativamente trivial que, assim de cara, não tem interesse algum para muita gente, mas o tema é tecnologia, podcast é desde sempre para nichos… e mais de uma vez fui questionado sobre a questão de fundo. 

Então… enquanto muita gente prefere um teclado mecânico, sólido, pesado, grande, outros optam por uma aparência simplificada, compacta e leve. Espaço parece (ou deveria) ser algo muito precioso em escritórios e, claro, seu quarto. E, no mundo da tecnologia de consumo, quando se fala em design leve, compacto, claro e despojado o sinônimo são os produtos da Apple. 

No entanto, isso representa um problema para os usuários que ficam sem o seu Mac e precisam quebrar o galho com o PC da família, que preferem trabalhar com o Windows 10, ou ainda podem apenas estar trabalhando em uma empresa que só usa o Windows. A boa notícia é que sim! Mesmo se estiver usando o Windows 10, você ainda poderá tirar proveito dos periféricos da Apple para uso com sua máquina Windows. 

Um dos acessórios mais populares da Apple, o teclado sem fio, é na verdade bastante simples de configurar para o Windows 10.

Para começar, você deve certificar-se de que o teclado sem fio esteja carregado (Murphy sempre dá as caras). Se você tiver o teclado Apple Wireless Keyboard mais antigo, verifique se há pilhas novas nele. Se você tiver o novo Apple Magic Keyboard, verifique se ele foi carregado suficientemente. 

Uma observação: Ambos os teclados sem fio da Apple são configuráveis ​​para funcionar com o Windows 10, mas exigem etapas ligeiramente diferentes no final deste pequeno e expedito tutorial para o keyboard da Apple.

Você precisará ativar o Bluetooth na sua máquina com o Windows 10. Clique no botão Iniciar (o ícone do Windows no canto inferior esquerdo da área de trabalho) e clique em “Configurações”.

A partir daqui, você deve estar olhando para o painel de configurações padrão, onde você pode acessar as configurações de rede, informações da conta, configurações de segurança e privacidade e muito mais. Clique na opção “Dispositivos”. Embaixo do ícone está escrito “Bluetooth, impressoras, mouse”. Não tem como errar.

Quando estiver no painel “Dispositivos”, você pode clicar na opção “Bluetooth” no lado esquerdo da tela. No meio da tela, então, uma mensagem aparecerá: “Gerenciar dispositivos Bluetooth”. Abaixo desse texto, verifique se o controle deslizante de “Bluetooth” está ligado na posição “Ativado” e se está azul. Ok? Conferiu? Tudo certo? Vamos em frente.

Você verá agora uma janela pop-up que oferece uma senha. E ATENÇÃO! Agora é que a configuração dos dois tipos de teclados sem fio da Apple se diferem. 

Se você tiver o teclado sem fio mais antigo (aquele com pilhas, sem entrada para cabo), basta digitar o código na tela e pressionar a tecla Enter / Return do teclado da Apple. No entanto, se você tiver um novo Apple Magic Keyboard, há um comportamento meio confuso. O Windows 10 parece ler esse Teclado como sendo um computador, completo, com tela e tudo, e apresenta um código na janela e o texto “Comparar as senhas”, supondo que você deseja comparar o texto exibido na tela do TECLADO da Apple. Como o Magic Keyboard obviamente não tem tela, basta clicar em “Yes” (Sim). Nesse ponto, você deve estar conectado.

Para testar o teclado, basta tente digitar algo. Se quiser ter certeza, acesse o painel de configurações do Bluetooth – como já expliquei – e, em “Magic Keyboard” ou “Apple Wireless Keyboard”, ele deve informar “Conectado”. Para desconectar o teclado, lembre-se de selecionar o nome do seu teclado e clicar no botão “Remover dispositivo” que lá aparece. Quando perguntar se você tem certeza de que deseja desconectar o dispositivo, clique em “Sim”.

Viu que moleza?

E agora, vamos fazer o mouse da Apple rodar corretamente no Windows 10. É um pouco mais complicado, mas funciona direitinho.

O procedimento a seguir é inteiramente gratuito e usa um drive da própria Apple. Sim, há programas pagos que habilitam o Magic Mouse no Windows 10, mas não vou tratar destes aqui não, não vale a pena. O modelo utilizado foi o Magic Mouse de primeira geração, mas segundo relatos que eu peguei na web o de segunda geração funciona da mesma forma. Então vamos lá.

Primeiramente para conectar o Magic Mouse ao Bluetooth verifique se o as pilhas do mouse estão carregadas e ele esteja ligado. Olha o Murphy aí de novo. 

Clique no menu Iniciar do Windows e em seguida clique em “Configurações”. Próximo passo Clique na opção “Bluetooth e outros dispositivos”. Atenção, na parte superior desta janela clique em “Adicionar Bluetooth ou outro dispositivo”. Agora clique em “Bluetooth” e escolha na lista que se abrirá a opção “Magic Mouse”. Pode aparecer apenas a palavra “Mouse” como opção da lista, depende da atualização do Windows 10.

Agora chegou a hora da instalação do drive. Sem ele, o seu Magic Mouse pode ser utilizado apenas como um mouse bluetooth genérico, sem gestos ou scroll, que é a rolagem de páginas. 

Infelizmente em áudio esta parte do tutorial ficará prejudicada, e você terá que acessar a Transcrição deste 4º episódio do Ex Libris no site idigitais.com  e localizar o endereço do drive, links necessários e as instruções complementares.

Então faça o download do drive diretamente do site da Apple, presente no pacote BootCamp, e siga as instruções na descrição do episódio para descompactar, instalar e executar o drive original AppleWirelessMouse64.exe

ATENÇÃO: não pegue este arquivo em outro lugar que não seja no endereço da Apple que consta nas instruções.

E é simples assim, um download, descompactação, localização de arquivo executável e instalação no Windows 10. Pronto! Seu Magic Mouse já está com o scroll e gestos funcionando. 

Mas, caso você deseje ficar com o mouse como se fosse no Mac mesmo, falta algo importante: o reverse scroll, conhecido no mundo Mac como “rolagem natural”. Para configurar a rolagem natural, dá para instalar um aplicativo simples, conhecido e gratuito: o Wizmouse, da Antibody. Baixe o software como indicado – de novo – nas Instruções da Transcrição deste episódio lá do Ex Libris  no site idigitais.com.

Ao rodar o setup do Wizmouse, habilite a última opção da tela de instalação deste aplicativo, marcando a opção “Reverse Mouse Scrolling“. Clique em OK, para finalizar.

Pronto! Agora sim… você já pode usar o Magic Mouse no Windows como está acostumado a usar no Mac.

Eu só fiz este tutorialzinho porque essa do Windows 10 entender o Magic Keyboard como sendo um notebook já apareceu na minha vida um par de vezes e tive que quebrar a cabeça para entender que isso é apenas mais uma das incongruências dos mundos Windows e Apple. 

Agora a forma de habilitar o Magic Mouse foi há pouco tempo e me deu um razoável trabalho de busca e avaliação de alguns métodos. Este me pareceu o mais simples.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Tecnologia, acabou. 

Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo, lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você poderia ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda e muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e04 – Tecnologia

s01e04 Keyboard&Mouse Apple

Como conectar teclado e mouse sem fio da Apple ao Windows 10

O mundo da tecnologia tem suas idiossincrasias, e quando estas complicam a vida do usuário não tem jeito, os geeks precisam enfiar a mão na massa.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui