Transcrição Ex Libris – S01e09

[Tecnologia] – A tecnologia educacional (edtech) veio para ficar?

Juntos, a tecnologia e os professores podem renovar as escolas, ou como a ciência da aprendizagem pode tirar o melhor proveito da tecnologia educacional.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 9º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post desse episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

A partir de agora o Ex-Libris sobre Tecnologia de 16 de outubro de 2018 começou.

Em 1953, o psicólogo norte americano Frederick Skinner visitou a aula de matemática de sua filha e encontrou todos os alunos aprendendo o mesmo tópico da mesma maneira e com a mesma velocidade. Poucos dias depois, ele construiu sua primeira “máquina de ensino”, a qual permitia que as crianças respondessem a perguntas em seu próprio ritmo. 

Skinner falecido em 1990, psicólogo famoso por conduzir trabalhos pioneiros em psicologia experimental, tinha muitos bons relacionamentos com o governo norte-americano. Propunha o behaviorismo radical – abordagem que busca entender o comportamento em função das inter-relações entre a filogenética, o ambiente e a história de vida do individuo.

[Parênteses] – tive que pesquisar isso: Filogenética – do grego phylon equivale a raça e gen se refere à ideia de origem ou nascimento, ou seja, filogenética é o estudo da origem dos organismos vivos e as relações existentes entre estes [fecho parênteses]

Sua máquina de ensino foi apoiada pelo United States Office of Education (tem video lá no youtube, procura lá “BF Skinner Teaching Machine“, ou se quiser, o link está na transcrição deste episódio).

Em meados da década de 1960, aparelhos semelhantes inundaram o mercado norte-americano sendo oferecidos por vendedores de porta em porta. Em poucos anos, porém, o entusiasmo por estas maquinetas havia diminuído.

Desde então, a tecnologia educacional (conhecida como edtech) repetiu o mesmo ciclo de hype e fracasso mesmo quando os computadores reformularam quase todas as outras partes de nossas vidas. 

[Parênteses novamente] Parece até o podcasting, entra ano sai ano é sempre a mesma coisa: “agora vai” e ploff voltamos à estaca zero. Parece, eu disse parece que agora a mídia começa a se mostrar uma opção razoável ao mercado (a garotada que começou a ouvir podcasts há alguns  já está nas agências e alguns já estão nos cargos de decisão). Oi gente… tudo bem? Olha eu aqui… [fechando o parênteses]

Um dos motivos do fracasso da edtech é o conservadorismo dos professores e seus sindicatos, e consequente burocracia, distanciamento e falta de destreza com as tecnologias disponíveis. 

Outro motivo bem definido, é que o potencial de capacitação e eficiência da edtech ainda não foi apropriadamente comprovado. Aqui eu ressalto o processo causa-efeito, se não há domínio da ferramenta tecnológica e da sua aplicação na educação não haverá capacidade para definir parâmetros adequados para aferir a sua efetividade. É algo como pedir a um biólogo definir em seu laboratório os parâmetros de aferição de qualidade de uma construção  civil.

Hoje, no entanto, os herdeiros de Skinner estão forçando os céticos a repensarem suas posições. Apoiados pelas ferramentas e suportes que a internet propiciou, finalmente, escolas em todo o mundo estão usando aplicativos inovadores para “personalizar” o aprendizado. Isso pode ajudar centenas de milhões de crianças presas em salas de aulas precárias – mas apenas se os defensores da edtech puderem resistir à tentação de reviver falácias e dar asas a idéias irreais sobre como as crianças devem aprender. Para ter sucesso, a edtech deve estar a serviço do ensino, e não o contrário.

O modelo convencional de escola – professor, lousa, giz, e um grupo de crianças – surgiu na Prússia no século XVIII. As alternativas até agora propostas não conseguiram ensinar de forma adequada e eficientemente a maioria das crianças. Salas de aula, crianças agrupadas por idade, estrutura hierarquizada, currículos padronizados e horários fixos ainda são a norma para a maioria das quase 1,5 bilhão de crianças em idade escolar no mundo.

Enquanto isso no Brasil, de acordo com a UNICEF, 7 milhões de estudantes têm 2 ou mais anos de atraso escolar; o ministro da Educação, Rossieli Soares (de 40 anos), afirmou quando da divulgação pelo MEC do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) 2017 que: ”o ensino médio está falido, e corre o risco de chegar ao ‘fundo do poço’, ele não está agregando conhecimento aos alunos”.  E sabe o por que do desespero do Ministro? Simples! Porque 7 em cada 10 alunos do 3º ano do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática. Entre os estudantes desta etapa de ensino, menos de 4% têm conhecimento adequado nestas disciplinas. Ou seja, 96% tem conhecimentos básicos, rudimentares  ou não sabem nada, absolutamente nada, de matemática ou português.

A cada dois anos, o SAEB mede a aprendizagem dos alunos ao fim de cada etapa de ensino: ao 5º e 9º anos do ensino fundamental e ao 3º ano do ensino médio. O sistema é composto pelas médias de proficiências em português e matemática extraídas da Prova Brasil, e pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Pela primeira vez, o MEC classificou os níveis de proficiência que estão organizados em uma escala de 0 a 9 – quanto menor o número, pior o resultado. Os níveis de 0 a 3 são considerados insuficientes; entre 4 e 6 os alunos têm nível de conhecimento básico; e a partir de 7 até 9, adequado. Etapa mais problemática da educação básica, o ensino médio foi classificado no nível 2 de proficiência. Em matemática, 72% dos alunos têm nível insuficiente de aprendizado. Desses, 23% estão no nível 0, o mais baixo da escala de proficiência. Ou seja, nada, não sabem nada. Em português, 71% dos dos alunos têm nível insuficiente de aprendizado, sendo que 24% estão no nível zero.

Em resumo, ao fim do colegial cerca de 70% dos alunos têm nível insuficiente de matemática e português e destes cerca de 24% nada sabem nada destas matérias. Olha aí o futuro do país sendo delineado… 

Nos países pobres, em média, apenas um quarto dos alunos do ensino médio adquire pelo menos o conhecimento básico de matemática, leitura e ciências. Mesmo nos países mais ricos da OCDE, cerca de 30% dos adolescentes não conseguem atingir proficiência em pelo menos um desses assuntos. Essa parcela permaneceu praticamente inalterada nos últimos 15 anos, durante os quais bilhões de dólares foram gastos em TI nas escolas. Em 2012, havia um computador para cada dois alunos em vários países ricos. A Austrália tinha mais computadores que alunos. Mal empregados os computadores, tablets e smartphones tendem a ser uma distração, ferramenta perfeita para embotar um processo de aprendizado. Um estudo português de 2010 descobriu que as escolas com internet mais lenta e o bloqueio de sites como o YouTube tiveram melhores resultados do que as escolas de alta tecnologia.

O que importa é como a edtech é usada. Uma forma que pode ser a solução é a instrução sob medida. Desde que Filipe II da Macedônia contratou Aristóteles para preparar p seu filho Alexandre, o Grande, pais ricos pagam por melhores professores. 

Alguns inovadores tecnológicos de São Paulo a Estocolmo acham que a edtech pode colocar a atenção individual ao alcance de todos os alunos. As escolas americanas estão adotando tal modelo de modo mais acelerado. Um distrito escolar se comprometeu a introduzir “aprendizagem digital personalizada” para 1/3 de seus alunos, agora. Os métodos de grupos como o Summit Public Schools, cujo software foi escrito pelos engenheiros do Facebook, estão sendo copiados por centenas de escolas. Na Índia, onde cerca de metade das crianças deixa a escola primária incapazes de ler um texto simples, o currículo básico é inalcançável para a maioria alunos. 

Softwares “adaptativos” como o Mindspark são capazes de descobrir o que uma criança sabe e assim formulam perguntas de acordo com a capacidade do aluno. 

Em um paper recente “Disrupting Education? Experimental Evidence on Technology-Aided Instruction in India” os autores afirmam em seus Abstract:

“Estudamos o impacto de um programa de ensino pós-escola com auxílio de tecnologia personalizada em escolas urbanas do ensino médio na Índia usando uma loteria que oferecia aos vencedores acesso gratuito ao programa.  Os vencedores da loteria marcaram 0.37σ acima em Matemática e 0.23σ maior em Hindi durante apenas um período de 4,5 meses. Estimativas (usando Variáveis Instrumentais) sugerem que frequentar o programa por 90 dias aumentaria as pontuações nos testes de Matemática e Hindi em 0,6σ e 0,39σ, respectivamente. Encontramos ganhos semelhantes nos escores absolutos dos testes para todos os alunos, mas ganhos relativos muito maiores para os alunos academicamente mais fracos. Nossos resultados sugerem que programas de instrução auxiliados por tecnologia bem concebidos podem melhorar drasticamente a produtividade no fornecimento de educação.”

O outro caminho que a edtech pode ajudar a aprender é tornar as escolas mais produtivas. Na Califórnia, as escolas estão usando um aplicativo para reformular o modelo convencional. Em vez de livros didáticos, os alunos têm “playlists”, que eles usam para acessar lições on-line e fazer testes. O software avalia o progresso das crianças, eliminando o processo de ‘dar nota’ a cada um dos alunos, aliviando assim a carga de trabalho dos professores. O tempo economizado é utilizado em outras tarefas, como o incentivo às habilidades sociais dos alunos ou aulas individuais. Um estudo em 2015 sugeriu que as crianças que adotaram precocemente esse modelo tiveram melhores resultados nos testes do que seus pares em outras escolas.

Toda essa inovação é bem vinda. Mas fazer o melhor com a edtech significa fazer várias coisas certas.

Primeiro, o “aprendizado personalizado” deve seguir as evidências de como as crianças aprendem. Não deve ser uma desculpa para reavivar idéias pseudocientíficas como “estilos de aprendizagem”: a teoria de que cada criança tem um modo particular de receber informações. Tal absurdo leva a esquemas como o Brain Gym, um programa de “cinesiologia educativa”, certa vez apoiado pelo governo britânico, esquema que afirmava que alguns alunos deveriam esticar, dobrar e emitir um “bocejo de energia” enquanto faziam suas contas. Uma outra falsidade é afirmar que usar a tecnologia significa que as crianças não precisam aprender fatos ou não precisam de um professor – que em vez disso, podem usar o Google e tudo irá funcionar. Alguns ditos educadores vão mais longe, argumentando que aprender e memorizar fatos atrapalham habilidades como a criatividade e o pensamento crítico. É exatamente o contrário. Uma memória repleta de conhecimento permite a evolução desses talentos. William Shakespeare foi educado em Latim e mesmo assim escreveu algumas peças muito decentes em inglês. Em 2015, nos EUA, um vasto estudo com 1.200 análises educacionais descobriu que, das 20 formas mais eficazes de impulsionar a aprendizagem, quase todas dependiam do trabalho de um professor.

Em segundo lugar é preciso garantir que a edtech reduza, em vez de ampliar, as desigualdades na educação. Aqui há motivos para otimismo. Algumas das escolas pioneiras em edtech são as escolas privadas do Vale do Silício. Entretanto, já há muitas outras escolas independentes que utilizam a edtech e ensinam preferencialmente alunos pobres, como a Rocketship e Achievement First – ou Summit, onde em 2017, 99% dos alunos que concluíram o curso foram para universidade e os retardatários obtiveram o maior progresso em relação aos alunos nas mesmas condições das escolas ditas  normais. Um padrão semelhante pode ser observado fora dos Estados Unidos. Em estudos de edtech também na Índia por J-PAL, um grupo de pesquisa, os maiores beneficiários são as crianças que usam software para receber educação corretiva.

Em terceiro lugar, o potencial para a tecnologia da educação só será percebido se os professores a adotarem. Eles estão certos em pedir provas de que os produtos funcionam. Mas o ceticismo não deve se transformar em ludismo. Um bom modelo é o que ocorre aqui em São Paulo, onde milhares de professores e principalmente escolas adotaram a plataforma adaptativa Geekie. Em 1984, Frederick Skinner chamou a oposição à tecnologia na educação de “vergonha”. Dado o que a edtech promete hoje, a mentalidade fechada não tem lugar na sala de aula.

E só para complementar o até aqui exposto neste podcast vou abordar mais um aspecto sobre a questão educacional… O ano era 1968 quando um professor de psicometria, Julian Stanley, se deparou com um gênio que cursava Ciência da Computação na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Joseph Bates, 12 anos, era brilhante – mas estava entediado com o curso, ele estava muito à frente dos estudantes de sua classe. Inspirado por esse prodígio, Stanley iniciou um longo estudo que duraria 45 anos, acompanhando o desenvolvimento de crianças superdotadas que incluiria nomes como Mark Zuckerberg e Lady Gaga.

Então, o que aconteceu com Joseph Bates? Ele se deu muito bem. Ele continuou a estudar, completou um doutorado, lecionou em uma universidade e agora se tornou um “pioneiro em inteligência artificial”. Stanley deu início ao projeto na Johns Hopkins University’s Center for Talented Youth (Centro para Jovens Talentosos da Universidade Johns Hopkins), em Baltimore. Batizado de SMPY, em inglês, que significa Estudo de Jovens Matematicamente Precoces. O programa acompanhou a trajetória de mais de 5 mil crianças superdotadas. Foi por meio desse trabalho que ele chegou a descobertas surpreendentes.

O estudo vai contra a antiga crença de que “a prática leva à perfeição”, segundo a qual você pode se tornar um especialista em alguma coisa contanto que trabalhe duro e tenha foco. Em vez disso, o SMPY sugere que a capacidade cognitiva inicial – como resolver problemas e tomar decisões corretas – tem mais efeito sobre a conquista do que a prática ou até mesmo o status socioeconômico de uma pessoa. Por isso, é importante estimular as habilidades da criança desde cedo – mas sem pressionar aquelas que se mostram mais inteligentes que a média para que se tornem – entre aspas – “gênios”. Isso poderia “levar a todos os tipos de problemas sociais e emocionais”, de acordo com educadores.

Mas, se você quer incentivar e manter seus filhos felizes ao mesmo tempo, os especialistas têm algumas recomendações:

  • Exponha seu filho a experiências diversas – Crianças com alta inteligência geralmente precisam de novidades para se manterem motivadas. Aumentar experiências de vida, além de contribuir nesse sentido, ajudaria a criança a desenvolver a confiança para lidar com o mundo. Psicólogos dizem que o conforto vem de se apegar ao que é familiar. É preciso coragem para tentar algo diferente.
  • Estimule seus talentos e interesses – Seja um novo esporte, um instrumento ou uma aula de teatro, permitir que seus filhos explorem os talentos desde cedo os ajudará a desenvolver habilidades importantes, como a resiliência. Não os force a “ser algo” que eles não são.
  • Apoie as necessidades intelectuais e emocionais do seu filho – A curiosidade é a essência de todo aprendizado. As crianças podem fazer muitas perguntas antes de começarem na escola e, embora sua paciência para responder a todas as questões possa ser um pouco escassa, isso é muito importante para o desenvolvimento delas. Quanto mais “porquês” e “comos” eles perguntarem, melhor será o desempenho na escola.
  • Elogie o esforço, não a habilidade – Ajude as crianças a desenvolverem uma “mentalidade de crescimento”, comemorando a aprendizagem, e não o resultado em si. As crianças aprendem a reagir às coisas através de seus pais. Portanto, seja sobre aprender a falar um novo idioma ou até mesmo andar de bicicleta, a disposição para aprender que deve ser estimulada.
  • O fracasso não é algo a ser temido – Os erros devem ser tratados como blocos de construção para o aprendizado. Aprender com eles deve ser tratado como uma oportunidade para crescer, pois ajudará as crianças a entender como elas podem abordar melhor o problema da próxima vez. 
  • Cuidado com os rótulos – Rótulos só irão diferenciar seu filho de outras crianças. Isso poderia não apenas levá-los ao bullying, mas também adicionar imensa pressão de ser uma decepção.
  • Trabalhe com os professores para atender às necessidades do seu filho – Alunos inteligentes geralmente precisam de material mais desafiador, apoio extra ou liberdade para aprender em seu próprio ritmo. Trabalhar em torno dos sistemas educacionais atuais para atender às suas necessidades é muito importante. 

Por fim,

  • Teste as habilidades do seu filho – Isso pode auxiliar os pais que quiserem fazer um trabalho mais avançado de desenvolvimento dos talentos das crianças e pode ainda revelar problemas como dislexia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou desafios sociais e emocionais.

Mas, afinal, como saber se seu filho é superdotado? Aqui – finalmente – estão alguns sinais, segundo a sociedade de alto QI, Mensa. Então preste atenção de seu pimpolho tem: 

  • Memória incomum;
  • Leitura precoce;
  • Gosta de passatempos ou interesses incomuns ou conhecimento profundo de determinados assuntos;
  • Tem consciência de eventos mundiais;
  • Tem senso de humor evoluído;
  • Faz questionamentos todo o tempo;
  • Possui musicalidade;
  • Gosta de estar no controle; e
  • Adora inventar regras adicionais para jogos.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Tecnologia, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

Transcrição Ex Libris – S01e08

[Ciência] – Surto de sarampo afeta a Romênia em meio a baixas taxas de vacinação

Como de uma farsa financeira causa a uma situação de alerta mundial de custos inimagináveis tanto em dólares como em vidas humanas.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 8º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Ciência de 12 de out de 2018

Um surto recente de sarampo matou dezenas de bebês e crianças na Romênia, um país com 20 milhões de habitantes.  Algo como a grande São Paulo em termos populacionais. E o surto continuava nos meados de setembro com cerca de 200 novos casos registrados a cada semana.

Mas o surto de sarampo não é privilégio da Romênia. Esta doença e algumas outras muito perigosas, como a poliomielite voltaram, não na África – que nunca se livrou delas a contento – mas na Ásia, na Europa, na Oceania e agora na América do Sul. 

Os médicos romenos – fazendo eco aos seus colegas do mundo inteiro – afirmam que o aumento da doença é decorrência das baixas taxas de vacinação. Algumas celebridades romenas realizaram campanhas na mídia alertando sobre os perigos da falta de imunização, mas superstições que sustentam que tomar suco de repolho ou não limpar a casa são tão eficazes quanto tomar a vacina, deixam os médicos desesperados, tanto quanto os seus pares brasileiros que não sabem lidar com as pessoas que acreditam mais nas informações que recebem pelo whatsapp de amigos e familiares do que nas campanhas do governo e noticiários de tv.

Bem, voltando à Romênia… Alguns médicos tem sinalizado que em algumas regiões e momentos não há estoque suficiente de vacinas. O que não ajuda em nada o controle, a inoculação e a proteção das áreas afetadas. Alexandru Rafila, chefe de laboratório do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas de Bucareste, disse à Associated Press, que a doença altamente contagiosa se espalhou mais rápido porque milhões de romenos trabalham no exterior, expondo-se a diferentes cepas do vírus. Quando voltam para casa iniciam um processo com multi-vetores em diferentes regiões. Ele disse que a doença apareceu pela primeira vez em uma comunidade de ciganos no noroeste da Romênia em 2016. Afirmou ainda que a cepa da doença era estranha à Romênia, mas frequentemente encontrada na Itália.

Cerca de 13.700 pessoas na Romênia contraíram sarampo desde o início da epidemia em 2016, e 55 morreram, segundo o Centro Nacional de Supervisão e Controle de Doenças Transmissíveis. A Organização Mundial de Saúde recomenda um nível de vacinação de 95%; a Romênia tem uma das taxas mais baixas da Europa – menos de 84%. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças disse que o número de casos de sarampo em todo o continente triplicou no ano passado, com a Romênia, a Ucrânia e a Itália sendo os países mais afetados.

Médicos como Alexandru também se deparam com celebridades como Olivia Steer, uma personalidade da televisão romena, que promoveu publicamente uma postura anti-vacina. Viu Jim Carrey que merda você ajudou a fazer! “Infelizmente, há um apetite por algo sensacional”, disse Alexandru. “As pessoas que se opõem à vacinação são promovidas (na mídia) de uma forma que, digamos, é antiética”. A celebridade citada pelo médico, Olivia Steer se recusou a falar sobre seus pontos de vista anti-vacina  com a imprensa internacional.

Aquela velha e antiga pesquisa falsa publicada há 20 anos que ligava a vacina ao autismo foi desacreditada, mas o susto deixou algumas pessoas desconfiadas, disseram médicos romenos. Caso você não saiba que raio de pesquisa falsa é essa falarei rapidamente sobre ela no final deste podcast. 

Em Chitila, uma pequena cidade ao norte de Bucareste, a pediatra Daniela Stefanescu enfrentou a desconfiança de inúmeros habitantes na sua tentativa de vacinar  bebês contra sarampo e caxumba. Stefanescu disse que o alto número de mortes por sarampo fez com que as pessoas da região que a princípio se mostraram céticas, reconsiderassem sobre a possibilidade de vacinação. Stefania Pena, 28 anos, uma das pessoas reticentes acabou imunizando seu filho de 1 ano, apesar de ter dúvidas, afirmou: “Eu li sobre crianças que morrem de sarampo e fiquei com medo”.

Enquanto isso aqui no Brasil… Até 3 de setembro, foram 1.579 casos de sarampo confirmados em todo país. O Brasil enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas que já computa 1.232 casos e 7.439 em investigação, e em Roraima, com o registro de 301 casos da doença, sendo que 74 continuam em investigação. Entre os confirmados em Roraima, alguns são de pessoas oriundas da Venezuela. Estes surtos estão definitivamente relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8) que está circulando no país é o mesmo que circula na Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017.  Alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (2 casos), 18 casos no Rio de Janeiro; 18 também no Rio Grande do Sul; 2 casos em Rondônia, 4 em Pernambuco e 2 no Pará.

O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos Estados. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados. Até o início de setembro, no Brasil, foram confirmados 8 óbitos por sarampo, sendo 4 óbitos no estado de Roraima (3 estrangeiros e 1 brasileiro) e 4 óbitos no estado do Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 do município de Manaus e 2 do município de Autazes). Até o início de setembro, a média nacional de vacinação era de 76%. Em todo o país, 11 estados estavam abaixo da média nacional de cobertura vacinal da Campanha de Vacinação Contra a poliomielite e sarampo. O Rio de Janeiro estava com o menor índice de vacinação, seguido por Roraima, Distrito Federal, Pará, Amazonas, Acre, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Piauí e São Paulo. A orientação foi para que os gestores locais fizessem a vacina ser aplicada mais rapidamente possível em mais de 2 milhões de crianças de 1 a 5 anos incompletos, que até meados de setembro não haviam sido protegidas contra sarampo e poliomielite. Esses 11 estados intensificaram suas ações de vacinação para alcançar a meta da campanha, de vacinar 95% do público-alvo. É só por meio da vacinação que pode-se impedir que doenças já eliminadas retornem ao Brasil.

Ainda no início de setembro o estado do Amapá atingiu a meta do Ministério da Saúde, de vacinar 95% do público-alvo. As capitais Macapá e Porto Velho superaram a meta da campanha. Macapá vacinou 100,3% para pólio e 99,8% para o sarampo e Porto Velho 98,3% pólio e para sarampo. Já Manaus, que iniciou a vacinação antes devido o surto de sarampo na região, já atingiu a meta de vacinação para a doença com 103% de cobertura.

Preciso explicar o porque do índice ser superior a 100%.? Lembra que a vacina era pra crianças de 1 a 5 anos incompletos… pois bem, se vacinou criança com mais de 5 anos, passou de 100%

Então sobre o caso que originou essa onda anti-vacina: Há 20 anos, em 1998, um médico britânico Andrew Wakefield – consultor honorário em gastroenterologia experimental no London’s Royal Free Hospital  – afirmou em uma pesquisa publicada na revista The Lancet – que se provou fraudulenta – que a vacina contra sarampo, rubéola e caxumba (MMR) tinha relação com o desenvolvimento de autismo em crianças. Muito dinheiro em novas pesquisas e muitas  declarações ponderadas depois comprovando a fraude da pesquisa original não foram suficientes para aplacar a boataria da época, as teorias de conspiração que se seguiram, nem a desconfiança atual de milhões de pessoas. Mesmo com a divulgação em 2004 da descoberta, que antes da publicação do artigo na Lancet, em 1998, o safado do Andrew havia feito um pedido de patente para uma vacina contra sarampo que concorreria com a MMR. Tadá!

A revista The Lancet publicou uma retratação só em 2010 por conta do artigo, e só depois do Wakefield ter sido considerado, também em 2010, “desonesto” enquanto realizava a pesquisa e por isso condenado a perder seu registro de médico por má conduta profissional pelo Conselho Geral de Medicina britânico (parece nosso brasilzinho, né?).

Então, você que ouve podcasts, é antenado, se informe sobre as campanhas e estruturas de vacinação e leve a palavra, ou melhor, explique para aquela mãe renitente a importância da vacinação e como deve fazer para garantir a segurança de seus filhos. Por fim, jamais tente explicar isso para um pai, ele nem sabe onde é o posto de saúde e nunca sabe onde está a carteira de vacinação.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais. Um podcast rápido e ligeiro sobre Ciência, acabou. Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

Transcrição Ex Libris – S01e06

[Política] – Capitalização da Previdência, o plano de 5 candidatos

Um dos grandes problemas deste país é, se sabe há mais de 50 anos, o desequilíbrio orçamentário do governo federal, daquilo que chamamos de Estado. Aqui vou arranhar a superfície de parte do problema que origina um déficit de cerca de 320 bilhões de reais para o ano de 2019.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 6º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto,  basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar suas observações no post desse episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utilizar outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todos os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Política de 05 de out de 2018

A Capitalização da Previdência é o modelo que acaba com ideia de que uma geração mais nova paga a aposentadoria de outra mais antiga e aposta na probabilidade de que o cidadão garantirá o próprio futuro.

O sistema previdenciário brasileiro tem um desequilíbrio absurdo quando se considera em balanço os números  relativos à esfera federal e os números relativos aos trabalhadores da iniciativa privada. Eu vou deixar os militares de fora por enquanto… é de bom alvitre sempre deixá-los lá na caserna, fazendo o que lhes é devido constitucionalmente. 

Esse desequilíbrio provoca um gasto crescente com aposentadorias e pensões. O dinheiro arrecadado exclusivamente com as contribuições diretas dos trabalhadores que estão na ativa não fecha a conta. Quer um exemplo? Então: em 2015 o pagamento de aposentados e pensões apenas da esfera da União demandou R$ 105 bilhões. As contribuições previdenciárias de quem estava na ativa, cerca de 1 milhão de pessoas, não cobriram nem de longe esse valor: somaram R$ 13 bilhões. A enorme diferença gerou um déficit perto de R$ 93 bilhões. Estes 105 bilhões em 2015 pagaram cerca de 1 milhão também de funcionários públicos federais só que  aposentados e beneficiários.

Do lado do iniciativa privada, o déficit do INSS, foi algo bem parecido em termos de valores, o déficit de 2015 foi de R$ 90 bilhões. Só que a arrecadação foi de cerca de R$ 450 bilhões e o valor total cercade 540 bilhões, total este que corresponde ao pagamento feito para quase 33 milhões de beneficiários. Eu sei você tá fazendo contas… deixa eu te ajudar:

105 bi dividido por 1 mi dá em média algo como R$ 8.750,00 / mês p/ cada servidor público federal aposentado ou pensionista.

Já do lado do INSS, da iniciativa privada: 540 bi dividido por 33 mi dá em média R$ 1.365,00 / mês p/ cada aposentado ou pensionista do INSS.

Mas não fique com raiva ainda… Devo lembrar que o sistema previdenciário não possui 3 caixas distintos – um caixa para os militares, outro para os servidores públicos e outro para os pobres mortais – tudo é um caixa só. Então advinha quem pagou este rombo de 183 bilhões em 2015 (e vem pagando desde 1965, na realidade, e continuará pagando por um bom tempo)? 

Para 2019 este rombo está previsto, já no orçamento aprovado, em 320 bilhões… de reais.

O Brasil inventado por esse loucos que pedem seus votos é igualzinho a um… ah…  deixa eu achar uma boa analogia… hum… achei! Um prédio de apartamentos na praia, isso mesmo, um Condomínio onde todas as unidades são idênticas com o mesmo valor venal e de compra, só que enquanto você trabalhador que conseguiu, a duras custas, comprar um apartamentozinho para alugar e recebe de aluguel o equivalente a 1.000 reais, o funcionário público recebe pelo apartamento idêntico ao seu a quantia de 6.410 reais. Se o trabalhador alugar por 2 mil, o funcionário público vai receber R$ 12.820. Bacana, né?!

E não adianta reclamar é Lei! Ou melhor, quase Lei, mas por meio de mecanismos legais (e mais uma ajudinha do Judiciário que é um dos interessados em manter o atrelamento ao salário mínimo) eles sempre conseguem manter a proporção. Aumentou salário mínimo, aumenta o do funcionalismo público.

Azar o seu que não entrou via concurso, nepotismo, ou notório saber para a casta do Funcionalismo Público Federal. Te vira aí.

Estamos em 2018 e o déficit da Previdência só aumenta, ou seja é uma bomba relógio – então… quem pagou e continua pagando essa dívida do governo são – surpresa! – os bancos, pois é… eles financiam o Tesouro Nacional, comprando do governo suas promessas de pagamento futuro (os famosos títulos do governo)  endividando internamente o Estado mais um pouquinho… afinal taxa de juros é taxa de juros.

No fim mesmo, você acertou, quem paga os aposentados e beneficiários somos nós mesmos com  nosso desvalorizado dinheirinho, esse mesmo dinheirinho que paga os juros de lojas, as tarifas e taxas malucas – tanto do mercado, como do governo -, o mesmo dinheirinho que é movimentado sem o seu aval e dá lucro no mercado de derivativos para as fintechs, sustenta igualmente alavancagens e empréstimos futuros de bancões, e claro que paga às instituições financeiras os maiores juros do mundo em qualquer operação de crédito bancário. Legal, muito legal…

A situação se agrava, e muito, quando se considera a falta de visão dos antigos chefes deste mesmo pessoal que idolatra o Estado Brasileiro de exceção lá de 1964. Não houve estruturação sustentável, e muito menos vontade de alterar algo para que parasse em pé essa cadeira de 2 pernas que é o sistema previdenciário brasileiro. A turma de túnica verde e coturno nem se importou nos impactos do aumento e envelhecimento da população e muito menos com o impacto previsível do aumento da expectativa de vida. Deu no que deu…

O FHC e sua turma alteraram bastante o regime de aposentadoria dos civis não-servidores públicos em 1998. Ou seja, fizeram a gente pagar mais um pouquinho da dívida e a perder mais um pouquinho da aposentadoria – o famoso fator previdenciário apareceu aí. Já para os militares e servidores públicos, ambos da ativa, eles só deram uma mexidinha no percentual da contribuição previdenciária. Para essa turma o tempo e forma de validações para aposentar e os valores dos benefícios não foram alterados em nada, na realidade até aumentaram. O candidato do PSL, p. ex., se aposentou com 17 anos de serviços prestados ao Exército – vai você lá, engenheiro, designer, front-end vai lá no INSS tentar se aposentar após 17 anos de contribuição pra ver se você consegue.

Michel Temer, em nome dos interesses mais escusos que eu possa imaginar, mas que jamais eu vou declarar,  tentou aprovar – graças aos deuses de forma bastante  equivocada – uma reforma canalha que impunha uma idade mínima de aposentadoria — igual para homens e mulheres, trabalhadores dos setores público e privado, dos regimes urbano e rural. Uma zona! Mas, cercado muito mais pela crise de representatividade política e por denúncias criminais, nosso presidente decorativo não conseguiu os ahn…parceiros para aprovar a aberração no Congresso.

Nessa eleição de 2018, a reforma da Previdência aparece como um tema mais que incômodo para os candidatos ao Palácio do Planalto. Tem candidatíssimo sabor chuchu que nem tocou no assunto no plano de marketing, ah desculpa, no plano de governo apresentado à Justiça Eleitoral.

Boa parte concorda que o déficit crescente da área é um problema a ser resolvido pelo próximo presidente da República. Eles discordam, no entanto, sobre como resolver a questão. Cada um tem uma ideia diferente.

Pelo menos cinco candidatos defendem abertamente a adoção de um novo modelo de Previdência no Brasil, chamado “regime de capitalização”, que é diferente do modelo em vigor hoje.

Jair Bolsonaro (PSL), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Alvaro Dias (Pode) colocaram o modelo em suas propostas para a área da Previdência, incluídas nos planos de governo entregues à Justiça Eleitoral. Geraldo Alckmin (PSDB) apesar de nada dizer sobre isto no seu plano, como já afirmei, defendeu este modelo publicamente há pouco tempo. E o que cada um deles dizem a respeito em seus planos de governo? Bem…

O plano do Bolsonaro afirma que: “A grande novidade será a introdução de um sistema com contas individuais de capitalização. Novos participantes terão a possibilidade de optar entre os sistemas novo e velho. E aqueles que optarem pela capitalização merecerão o benefício da redução dos encargos trabalhistas”

No da Marina tem-se o seguinte parágrafo: “Defendemos um processo de transição para um sistema misto de contribuição e capitalização, a ser implementado com responsabilidade do ponto de vista fiscal”

Já no plano do Ciro é dito que: “Defendemos a implementação de um sistema previdenciário multipilar capitalizado, em que o primeiro pilar, financiado pelo Tesouro, seria dedicado às políticas assistenciais; o segundo pilar corresponderia a um regime previdenciário de repartição com parâmetros ajustados em relação à situação atual; e o terceiro pilar equivaleria a um regime de capitalização em contas individuais”

E no plano do Alvaro Dias é dito que: “Defendemos o fomento à poupança e ao mercado de capitais por meio de uma nova previdência social que capitalizará os participantes e que democratizará a posse dos ativos estatais e forte incentivo ao investimento”

O atual regime é chamado de Repartição. E a diferença básica entre os dois modelos está no destino do dinheiro do contribuinte. O trabalhador da ativa hoje paga os benefícios de quem já está aposentado. E quem pagará sua aposentadoria, no futuro, é quem estiver trabalhando quando este tempo chegar.

Atualmente, há mais trabalhadores contribuindo para um número reduzido de aposentados, proporção de  cinco na ativa para um idoso – e mesmo assim há um deficit, pela metodologia historicamente usada pelo Ministério da Previdência e pela distribuição entre serviço público federal e os trabalhadores da iniciativa privada. A questão é que parcela da população brasileira com mais de 65 anos deve passar, segundo o IBGE, dos atuais 9,2% para 25,5% em 2060.

Enquanto o sistema atual se manter o deficit será cada vez maior. Aí, só há duas saídas: ou o governo continua bancando a diferença e reservando para isso uma fatia cada vez maior do Orçamento (em 2017, foram já 21% da despesa primária) ou diminui os gastos, reduzindo as aposentadorias.

[parênteses] – Gostaria de esclarecer o que é despesa primária – Despesa primária é aquela em que o governo não considera os efeitos financeiros, decorrentes dos juros. Portanto, é a primeira despesa do governo, aquela que ele dispõe para executar suas políticas públicas e pagar o funcionalismo. Ao emprestar dinheiro de um banco, o governo  arrecada uma receita, mas terá dois encargos: o saldo principal a amortizar e os juros. Como todos nós quando fazemos um empréstimo bancário. Essa despesa com juros é denominada de nominal, e não entra no cálculo do resultado primário. A despesa primária para 2019 é orçada em 1,7 trilhões de reais e paga o que deve pagar; a despesa financeira paga o refinanciamento, a amortização e os juros da dívida, e é “só” de 1,6 trilhões. Ou seja, o governo brasileiro é um pai desastrado de família que usa 50% do seu dinheiro para pagar o mínimo do empréstimo bancário, fazer um novo empréstimo; e com os outros 50% pagar “mal pra buroo” as despesas descontroladas de uma família de 4 pessoas consumistas com 24 empregados em regime semi-escravo. [fecha parênteses]

O regime de capitalização poderia ser traduzido como um  regime de poupança. A ideia base do modelo é que cada trabalhador guarde dinheiro para sua própria aposentadoria no futuro. O dinheiro pode sair de uma contribuição da empresa que registra o trabalhador. Em alguns casos, o trabalhador pode complementar a contribuição, mais ou menos nos moldes do que acontece hoje em fundos de pensão. Em outros casos, a contribuição pode vir somente do próprio trabalhador.

A grande dificuldade na implantação de um regime de capitalização previdenciária é a transição, ou seja,  os custos econômicos, financeiros e políticos da implantação desse regime de capitalização. Os economistas dos candidatos fazem cálculos e tentam estimar o chamado Custo de Transição, mas ainda não há nem um número especulativo. 

Não é difícil entender os motivos que tornam a implantação cara em um primeiro momento. Imagine só a implantação em paralelo de todo o sistema de administração e controle das contas de milhões de trabalhadores (duvide-o-dó que servidores públicos e militares sejam atingidos por essa mudança de regime logo de cara). 

A ideia da capitalização é criar um sistema previdenciário que nasça sem deficit. Nele, os trabalhadores estarão poupando para pagar sua própria aposentadoria no futuro. A questão é que os aposentados de hoje continuam existindo e precisando de financiamento. Principalmente os caros servidores públicos e militares.

O que o regime de capitalização faz, em um primeiro momento, é apenas retirar receitas do sistema. Ou seja, uma vez implantado, o regime de capitalização vai diminuir o número de contribuintes para o atual sistema, e o número de beneficiários do atual sistema vai continuar igual (na verdade, aumentando a cada ano até se aposentarem os primeiros trabalhadores do novo regime).

A proposta de capitalização pode ser implantada de várias maneiras, mas sempre respeitando a ideia de que o trabalhador contribui para si mesmo. Os modelos apresentados pelos presidenciáveis têm algumas variações.

  • O economista do Bolsonaro, o Paulo Guedes, diz que o governo quer garantir um rendimento para quem não contribuiu. O valor seria menor que o salário mínimo e maior que o Bolsa Família. Note que ele pressupõe que seja pessoa comum, pois não há no serviço público nem no regime militar benefício de 1 salário mínimo e muito menos Bolsa Família, né?
  • Já Alvaro Dias quer criar um fundo para recolher as contribuições de patrões e empregados e investir ali também o dinheiro que pretende arrecadar com privatizações de estatais para incentivar a adesão. Novamente, nem uma palavra sobre o desequilíbrio que funcionalismo público e militares causam na balança previdenciária.
  • A proposta de Ciro Gomes é a implantação de um sistema misto. Os benefícios sociais seriam bancados pelo Estado e os pagamentos até o teto do INSS (hoje em torno de R$ 5,645) continuaria no sistema atual. A capitalização seria adotada para quem recebe mais do que isso, no setor público ou privado. Aleluia! Um falou do funcionalismo público.
  • Marina Silva – como sempre, divaga em seus objetivos – ela defende fazer uma “transição” para que o regime de capitalização seja implantado no futuro. Sem precisar estratégia, valores ou volumes, nada… só marinando.

Nessa altura do campeonato você deve estar perguntando qual seriam os prós e contras da Capitalização?

Pois bem, a favor posso dizer que além de proteger contra mudanças demográficas, uma vantagem do sistema de capitalização é que ele aumenta a poupança de um país. A partir do momento em que o dinheiro é arrecadado para a aposentadoria, ele pode ser investido pelo gestor dos recursos — seja ele público ou privado. A característica da poupança para aposentadoria é o investimento para o longo prazo. Assim, esse dinheiro poderia ser aplicado em vários tipos de projetos, sendo um incentivo para o desenvolvimento da economia do país.

E contra, além do problema de transição, haverá certamente uma grande dificuldade para os mais pobres. Em um mercado sem estabilidade de emprego, principalmente entre as pessoas pouco qualificadas, o risco é que o trabalhador não consiga acumular uma quantia suficiente para bancar sua aposentadoria. Nesse caso, ou o Estado deixa esse trabalhador apenas com o que poupou, ou lhe garante um mínimo e continua deficitário em relação a ele.

Lembro agora que em janeiro de 2004, a Lei 10.835, proposta pelo então senador Eduardo Suplicy e aprovada pelo Congresso, foi sancionada pela presidência da república, instituindo a renda básica de cidadania. De acordo com a lei, todos os brasileiros e estrangeiros residentes há pelo menos cinco anos no país devem receber um benefício monetário suficiente para atender às despesas mínimas com alimentação, educação e saúde. O programa Bolsa Família sempre foi  considerado pelo senador como um dos passos necessários para alcançar esse objetivo. Entretanto, como muitas das Leis aprovadas esta até hoje ainda não foi implementada, e advinha qual é a desculpa do governo? O cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal que exige que para cada despesa do orçamento haja uma receita que a garanta. Agora, abrir mão de impostos e oferecer outros  subsídios ao setor produtivo em valores 30% a mais que o orçamento anual da Bolsa Família… tudo bem né gente?

Por exemplo, no caso concreto do Chile, o deficit da Previdência não é um problema para o setor público e o custo da transição já foi superado. O projeto foi implantado ainda durante a ditadura do general Augusto Pinochet, na década de 1980. O que não é indicador de coisa boa, mas vamos lá. Tudo andou meio que tranquilo desde então, porém, atualmente, o sistema enfrenta seus primeiros problemas. No Chile, não há contribuições do Estado ou de empregadores. Cada trabalhador é obrigado a depositar pelo menos 10% do salário por 20 anos para ter direito à aposentadoria. A falta de recursos para os mais pobres foi o estopim para a crise do sistema previdenciário do Chile, vale lembrar, o primeiro país do mundo a adotar um regime de capitalização. Os primeiros contribuintes se aposentaram recentemente e segundo dados publicados em 2017, 9 em cada 10 beneficiários recebiam um valor inferior a 56% do salário mínimo chileno, que equivale – para quem tem entre 18 e 65 anos – pouco mais de 1.500 pesos mensais, ou seja coisa de R$ 850. Fazendo as contas, 9 em cada 10 beneficiários chilenos recebem menos de R$ 476.

E pra terminar reforço minha observação sobre o real problema de nosso brasilzinho, sobre o desequilíbrio que o funcionalismo público provoca:  Segundo o Ministério do Planejamento, o governo federal – nos três Poderes (executivo, legislativo e judiciário) – tinha em 2015 o total de 2.195.154 servidores públicos em sua folha. Deste total, 55,3% estavam trabalhando, 26% eram aposentados e 18,7% pensionistas. O total da folha de pagamento do governo em 2015 foi de R$ 255,3 bilhões – cerca de 5,6% do PIB – dos quais R$ 151,7 bilhões de salários para funcionários da ativa, R$ 66,2 bilhões de aposentadorias e R$ 37,3 bilhões de pensões. O que dava em média cerca de R$ 9.700 mensais para cada um dos ativos, aposentados e pensionistas do serviço público. 

Considerando os dados da LDO, do orçamento, de 2019, onde o governo estima um gasto de R$ 321 bilhões com cerca de 2,2 milhões servidores públicos ativos, aposentados ou pensionistas, dá pra atualizar a média mensal… o que dá uma renda de R$ 12 mil para cada servidor aproximadamente. 

Desculpe, mas não tive estômago para ir até o portal da transparência e ficar caçando pedacinho por pedacinho de informação para montar um quadro mais detalhado. Tenho certeza, e nem preciso fazer muita conta para perceber que em média o beneficiário do INSS não recebe mensalmente algo muito maior do que 1,8 mil reais.

E essa turma querendo achar mais um jeito dos cidadãos de 2ª categoria pagarem as contas.

Política é isso desde sempre, a elite vive do que os escravos produzem e pagam, o agente político vez ou outra tira um dos bodes que convivem com uma multidão em uma sala de 15 m2 e a maioria das pessoas ficam felizes.

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, acabou. Hoje foi um pouco longo… Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a gente manter esse  podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima.

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

Transcrição Ex Libris – S01e05

[Cultura] – Obras de três continentes narram o tráfico de escravos africanos

130 anos e ainda temos muito o que corrigir em nossa história cercana. Não somos, em nossa maioria, natos deste pedaço de terra americana, somos em parte invasores, brancos, escravos, negros, mulatos.

Olá, eu sou Sérgio Vieira e este é o 5º episódio da primeira temporada do Ex-Libris, um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um tema. Seja bem vindo e espero que esteja gostando do Ex-Libris. Aguardo comentários e sugestões, afinal eu preciso saber se estou no caminho certo. Para tanto, basta dar um pulo lá no idigitais.com. 

Você pode colocar as observações no post deste episódio, na transcrição ou ainda enviar um email. O Ex-Libris está disponível em vários agregadores e serviços: Anchor.fm; Apple Podcasts; Breaker; Castbox; Google Podcasts; OverCast; Pocket Casts; RadioPublic; Spotify; e Stitcher. Se você utiliza outro serviço, basta copiar o rss disponível e colar em seu aplicativo. Todo os links estão publicados na 1ª página do idigitais.com

Começa agora o Ex-Libris sobre Cultura de 02 de out de 2018

Cerca de cinco séculos após o início da chegada de povos escravizados da África às Américas, as rotas, as influências culturais, a miscigenação e as histórias da escravidão negra são temas de uma das maiores exposições de arte realizadas nos últimos anos pelo Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, o Masp.

Em parceria com o Instituto Tomie Ohtake, foi inaugurada nos fins de junho a exposição Histórias Afro-Atlânticas que tem encerramento previsto para 21 de outubro de 2018. Corre que dá tempo!

“Nos navios negreiros vieram não só pessoas escravizadas, mas símbolos, culturas, religiões e filosofias”, explica uma das curadoras da exposição, a historiadora Lilia Moritz Schwarcz, que montou esta  mostra com mais quatro nomes, Adriano Pedrosa, Ayrson Heráclito, Hélio Menezes e Tomás Toledo. “Esse circuito, como definiu Pierre Verger – etnólogo, fotógrafo e babalaô franco-baiano – criou não apenas fluxos, mas também refluxos.” 

A ideia de trazer as narrativas afro-atlânticas veio a partir da exposição Histórias Mestiças feita por Lilia Schwarcz e Adriano Pedrosa no Tomie Ohtake em 2014; exposição esta que originou dois projetos: As Histórias da Escravidão e as Histórias Indígenas. 

A ampliação da discussão para narrativas afro-atlânticas veio após a realização de um seminário sobre o tema em 2016. As Histórias Indígenas já é uma exposição programada para 2021.

No museu, o ano de 2018 está sendo dedicado integralmente às narrativas afro-atlânticas, desde as exposições individuais, como de Maria Auxiliadora, encerrada em junho, e a de Rubem Valentim, até palestras, eventos culturais e sessões de cinema. 

O estudo da curadoria para esta mostra resultou numa antologia, lançada com o catálogo da exposição, que reúne artigos e textos nacionais e internacionais sobre a questão, alguns inéditos em português. 

Para contar as histórias que envolvem três continentes, o MASP e o Tomie Ohtake contaram com importantes empréstimos de grandes coleções particulares e instituições, como a National Portrait Gallery de Londres, a Galleria degli Uffizi de Florença e o Metropolitan, de Nova York. 

Apesar de não ter sido pensada com esse propósito, a mostra ocorre nos 130 anos da abolição da escravidão no Brasil. Uma data tardia que precisa ser politizada, e que até agora – desculpe o trocadilho equivocado – passou em branco. 

A exposição não segue um ordenamento cronológico ou geográfico, sendo dividida em oito núcleos temáticos que abrangem diferentes tempos, territórios e suportes, nas duas instituições que coorganizam o projeto. 

No MASP: há 4 núcleos no 1º andar – MAPAS E MARGENS – COTIDIANOS – RITOS E RITMOS e RETRATOS; no 1º sub-solo: o núcleo MODERNISMOS AFRO-ATLÂNTICOS;  e no 2º subsolo: o núcleo ROTAS E TRANSES: ÁFRICAS, JAMAICA E BAHIA. No Instituto Tomie Ohtake estão os últimos 2 núcleos:  EMANCIPAÇÕES e RESISTÊNCIAS E ATIVISMOS.

Os núcleos discutem a questão negra com uma mistura de obras históricas e contemporâneas. No núcleo Emancipações do Tomei Ohtake, as imagens clássicas do francês Debret e do alemão Rugendas são confrontadas com os equipamentos de tortura, prova de que os povos africanos nunca aceitaram a escravidão pacificamente. É bom lembrar que desde o início da escravidão no Brasil, se tem registro de quilombos.

No núcleo Retratos lá no MASP, em oposição ao que é visto em museus ocidentais e europeus, o negro é colocado como protagonista. A dificuldade é a falta de registros históricos não só de artistas negros como de retratações dignificantes de pessoas negras. 

Para o setor, foram comissionados então dois trabalhos de Dalton Paula, que imaginou figuras históricas e quase sem registros, como a líder quilombola Zeferina da 1ª metade do século 19 e o alfaiate João de Deus Nascimento, um dos líderes da Conjuração Baiana nos fins do século 18. “A proposta é representar personagens esquecidos”, esclarece Tomás Toledo. 

Histórias afro-atlânticas apresenta uma seleção de 450 trabalhos de 214 artistas, do século 16 ao 21, em torno dos “fluxos e refluxos” entre a África, as Américas, o Caribe, e também a Europa. 

O Brasil é um território central nas histórias afro-atlânticas, pois recebeu aproximadamente 46% dos cerca de 12 milhões de africanos e africanas que desembarcaram compulsoriamente neste lado do Atlântico, ao longo de mais de 300 anos. 

Também foi o último país a abolir a escravidão mercantil com a Lei Áurea de 1888, que perversamente não previu um projeto de integração social, perpetuando até hoje desigualdades econômicas, políticas e raciais. 

Por outro lado, o protagonismo brasileiro nessas histórias fez com que aqui se desenvolvesse uma rica e profunda presença das culturas africanas.

Histórias afro-atlânticas parte do desejo e da necessidade de traçar paralelos, fricções e diálogos entre as culturas visuais dos territórios afro-atlânticos—suas vivências, criações, cultos e filosofias. 

O Atlântico Negro, na expressão de Paul Gilroy, é uma geografia sem fronteiras precisas, um campo fluído, em que experiências africanas invadem e ocupam outras nações, territórios e culturas.  

É importante levar em conta a noção plural e polifônica de “histórias”; esse termo que em português abrange tanto a ficção como a não ficção, as narrativas pessoais, políticas, econômicas, culturais e mitológicas. Assim, nossas histórias possuem uma qualidade processual, aberta e especulativa, em oposição ao caráter mais monolítico e definitivo das narrativas tradicionais. 

Neste sentido, a exposição não se propõe a esgotar um assunto tão extenso e complexo, mas antes a incitar novos debates e questionamentos, para que as histórias afro-atlânticas sejam reconsideradas, revistas e reescritas.

No MASP, a mostra contextualiza-se dentro de um ano de exposições, palestras, cursos, oficinas, publicações e programações de filmes em torno das histórias afro-atlânticas. 

O programa iniciou-se com as individuais de Maria Auxiliadora, Aleijadinho (de março a junho) e Emanoel Araujo (de abril a julho) e se completa com as de Melvin Edwards e Rubem Valentim (de agosto a novembro), Sonia Gomes (de Novembro de 2018 a fevereiro de 2019), Pedro Figari (de Novembro de 2018 a fevereiro de 2019) e Lucia Laguna (de Dezembro de 2018 a março de 2019). 

Parte fundamental desse projeto é a Antologia já citada e que reúne em livro textos de 44 autores, resultado de dois seminários internacionais realizados em 2016 e 2017. Desse modo, o museu se transforma, ele mesmo, em uma plataforma múltipla e diversa, plural e polifônica.

Caso você se interesse mais pelo assunto indico a obra do membro e ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, poeta ganhador do Prêmio Jabuti com a obra Ao lado de Vera em 1997, ensaísta, memorialista, historiador, atual orador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e agraciado com o Prêmio Camões de 2014, o diplomata Alberto Vasconcellos da Costa e Silva, considerado hoje em dia como o maior especialista brasileiro em África, autor de várias obras fundamentais para a compreensão da história do tráfico negreiro para a América, entre elas: 

  • A enxada e a lança: a África antes dos portugueses de 1992; 
  • A manilha e o Libambo: a África e a escravidão, de 1500 a 1700, publicado em 2002; 
  • Um rio chamado Atlântico de 2003; e 
  • Francisco Félix de Souza, mercador de escravos de 2004. 

O Ex-Libris, spin-off do Impressões Digitais, um podcast rápido e ligeiro sobre Cultura, acabou. 

Se você gostou do Ex-Libris faça como a AMB3 Gestão Ambiental, ajude este podcaster a divulgá-lo e a mantê-lo. Lá no site idigitais.com você tem mais detalhes sobre como o fazer isso. Você pode ainda ajudar o Ex-Libris dando umas estrelinhas lá no iTunes, palmas no anchor.fm e nos outros agregadores nos avalie do jeito que eles permitem. Isso ajuda muito a manter este podcast.

Saúde, paz, grato pela companhia e até a próxima

Ex-Libris, inteligência com propriedade.

S01e05 – Cultura

s01e03 African

Obras de três continentes narram o tráfico de escravos africanos

130 anos e ainda temos muito o que corrigir em nossa história cercana. Não somos, em nossa maioria, natos deste pedaço de terra americana, somos em parte invasores, brancos, escravos, negros, mulatos.

Ex-Libris (spin-off do Podcast Impressões Digitais), um podcast rápido e ligeiro sobre Política, Comportamento Humano, Ciência, Tecnologia e Cultura. A cada episódio um destes temas.

transcrição – clique aqui

I Dig it 099

É NOS SEGUNDOS – fluidos e quase desprezados – que se encontram o brilho nos olhos, as alegrias e os sorrisos de uma vida.

OMDTM: Como um Estado sério e comprometido com o conceito de nação, encara a saúde de sua população como política de estrutura social, econômica, sob uma ótica científica e tecnológica.
Poesia Numa Hora Dessas?: Na 1ª Bienal do Samba de calça culote e paletó almofadinha

OPDSM: A Morte da Tartaruga

CNR: Sherazade (a da seção não tem esta grafia)

EAIQAUP: Darwin Awards de 2013

Jazz em Paz: The End of the World de Sylvia Dee e Arthur Kent – versão jazzy com Skeeter Davis e a voz de Niia

Background: Maria / Delilah / Lulu’s Back in Town / Miss Otis Regrets (she’s unable to have lunch today) / Angelica / Stella by Starlight / Louise / Bess You is My Woman / Liza / Nancy / Laura /Alice in Wonderland (album Loved Ones Branford e Ellis Marsalis)

Música Incidental: a abertura de O Guarani (Carlos Gomes) e Hail the Chief (domínio público)

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

LogEntry – I Dig it 099:: Mais informações e LINKS

I Dig it 087

TÔ POR AQUI no podcasting desde 2005

OMDTM: Olha só como o tempo registra a nossa referência!

Poesia Numa Hora Dessas?: Álvaro de Campos, 18/jun/1930

OPDSM: Afinal quem quer ter inteligência suficiente para se libertar?

CNR: Os Vickings Metrossexuais por Nuno Markl

EAIQAUP: As limitações geográficas e a história breve…

Jazz em Paz: Here Comes The Sun (The Beatles) by Sarah Menescal (álbum Jazz and Beatles)

Música Bônus: Something (The Beatles) – Sarah Vaughan (álbum Song of Beatles); Here Comes The Sun (The Beatles) – James Taylor and Yo Yo Ma and James Taylor (álbum Song of Joy & Peace)

Background: Lady Madonna (The Beatles) – Caetano Veloso (álbum Qualquer coisa); Alice in Wonderland – Dave Brubeck & Paul Desmond (álbum The Duets); Don’t Worry ‘Bout Me – The Dave Brubeck Quartet (álbum Dave Brubeck at Storyville); Miles Ahead – Miles Davis & Gil Evans – (álbum The Best of Miles Davis and Gil Evans); Round Midnight – Stan Getz (álbum Jazz Collection); Insensatez (How Insensitive) – Antônio Carlos Jobim (álbum The Composer of Desafinado, Plays); Georgia on My Mind – Dave Brubeck (álbum Indian Summer); Spring Is Here – Dave Brubeck (álbum Indian Summer); e Indiana – The Dave Brubeck Quartet (álbum Jazz: Red, Hot and Cool)

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

LogEntry – I Dig it 087:: Mais informações e LINKS

NOTA: Abaixo reproduzo a área de comentário do episódio, pois o back up foi corrompido e perdi todos os comentários entre 26 de maço de 2011 e 27 de dezembro 2015)

Everton Ajisaka – Benevides/PA [April 1, 2013 at 11:51 am] É sempre bom ouvir o ID, com boa história e boa música. A qualidade do áudio também é excelente. Obrigado Sergio Vieira por compartilhar seus pensamentos.

Igor Gudima Cunha [April 6, 2013 at 9:20 am] – Olá Sérgio. Ótimo episódio, como sempre, parabéns! Obrigado pelo conteúdo! Abraços!

I Dig it 075

É O MAIOR BARATO, SE LIGA… aqui tudo é anestesiado

INTRO: Aqui é o País do Futebol (Wilson Simonal) – Frase: O dinheiro não só fala mais alto em países mal ajambrados como também cala a boca de muita gente em qualquer canto do mundo desenvolvido.

OMDTM: Desta vez eu não vou falar sobre tecnologia não… decidi falar sobre porque não somos uma plena democracia.

OPDSM: Por favor. sintetiza o poder no Brasil.

CNR: Um paradoxo midiático que pode definir um ponto de inflexão da política nacional.

EAIQAUP: Análise sobre a grande zona (SIC) que se tornou a Europa e sua moeda única neste ano da graça de 2011.

Jazz em Paz: Money – do album The Jazz Side of the Moon

Background: Breathe; On the run part 1; Time; Any colour you like; The great gig in the sky; Us and them; Money; Brain damage; e On the run part 2 (do album The Jazz Side of the Moon – Seamus Blake, Ari Hoering, Mike Moreno e Sam Yahel)

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

LogEntry – I Dig it 075:: Mais informações e LINKS

NOTA: Abaixo reproduzo a área de comentário do episódio, pois o back up foi corrompido e perdi todos os comentários entre 26 de maço de 2011 e 27 de dezembro 2015)

6 Comments (recuperação)

Bruno Costa [January 7, 2012 at 10:38 pm] – Grande Sérgio Vieira! Primeiramente parabéns pelo blog, tá muito bacana! Sérgio, te escrevo pois tenho um projeto chamado oscinefilos.com.br e nesse projeto incentivamos a crítica colaborativa, que nada mais é do que as pessoas criticarem o filme enviarem para nosso site a gente publicar as mesmas, claro que nos comentários essa crítica acaba ganhando ainda mais corpo. Gostaria de pedir se fosse possível que fizesse uma crítica de 2001 uma odisséia no espaço, para que possamos colocar neste projeto, um dos objetivos é nos tornarmos o site com mais críticas de cinema do país e com o diferencial de ser dos próprios usuários. Ficaria muito honrando se pudesse nos mandar uma crítica. Forte abraço, Bruno

admin [January 11, 2012 at 12:54 am] – Vou fazer melhor: vou produzir ainda este ano um podcast sobre o 2001 e depois te envio a transcrição para uso no seu blog. Boa sorte!

FrankCastle [March 16, 2012 at 11:37 pm] – Olá Sérgio! Tomei conhecimento de sua pessoa e podcast no Piratacast sobre Política (do site Baú Pirata). Comecei a ouvir agora, estou gostando bastante. Apenas uma observação: não ouvi os outros episódios ainda, mas neste último estou com muita dificuldade para compreender, o áudio está cristalino, porém a trilha sonora está muito alta, acaba encobrindo um pouco sua voz. Um abraço!

admin [March 17, 2012 at 2:23 am] – Antes de tudo, grato. Eu sabia que o BG ficaria um pouco alto em algumas partes, mas mesmo assim eu o mantive. Na realidade eu não quis sacrificar, mais ainda, a obra the jazz side of the moon. De qquer modo, valeu a dica… Assim, quem sabe eu paro de inventar e colocar trabalho completo como BG. Valeu. O/

FrankCastle [March 17, 2012 at 11:24 pm] – Obrigado a você! Voltei a ouvir hoje, o mesmo podcast que tinha ouvido pela metade. Pois podcasts com conteúdo mais profundo, gosto de prestar bastante a atenção e foi exatamente por isso que a música alta me atrapalhou. (mas gostei dela, sensacional). Não sei se estou me habituando, ou é porque no momento aqui está mais silencioso (minha rua infelizmente é bem barulhenta, o que torna a tarefa um pouco difícil). Deixando a questão técnica de lado, estou gostando muito do podcast, só estranhei o seu ritmo mais lento em vista da discussão no Piratacast 🙂 Adorei a seguinte citação: “Todos os países são difíceis de governar, só o Brasil é impossível. Pois aqui, acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou no poder. E para os que estão no poder, é clara e cristalina a noção de que o crime não compensa… porque, quando compensa, não é crime!” Estou pegando o bonde andando, mas vi nos comentários acima você e o Bruno falando sobre um podcast/texto de “2001″, adoro Ficção Científica e acharia demais um podcast sobre o assunto. Por hora me vou, “torça” para que eu não vicie no seu podcast, se não vou encher bastante o saco 😛 Hoje em dia, vemos muita gente preocupada mais na forma do que com o conteúdo. Mais com o status, do que com a mensagem a ser transmitida. Não parece ser o que vejo aqui, parabéns.

@Nelsu [March 20, 2012 at 3:06 am] – Óia… Confesso que no começo achei que teu podcast seria muito chato. Até mesmo por ser um monólogo e não ter o ritmo de outros podcasts “tradicionais”, quase parei de escutar. Mas, para minha sorte, eu estava fazendo um trabalho da faculdade. Então, deixei você falando… Muito bom! Apesar de ser diferente do que eu costumo escutar, gostei bastante, principalmente pelo (não sei se seria a palavra correta) seu sarcasmo.Você já falou alguma vez sobre Repasses do OGU? Emendas parlamentares? Pretende falar algum dia? Ah… Te encontrei depois de escutar o Piratacast de política. Até mais ver!

I Dig it 062b (Parte 2)

Hoje tem Podcast Impressões Digitais em sua versão Compacto Duplo, edição nº 62b

Compacto Duplo – Lado A: Quintet In A Major, Opus 114, D667 ‘The Trout’ (Franz Schubert)

Homo sapiens: Capítulo 5 / 7 (Parte 2)  das estórias da História do Brasil – 1800-1900.

Background: Rhapsody on a Theme of Paganini (Sergei Rachmaninoff); Clair de Lune (Claude Debussy), Atraente (Chiquinha Gonzaga)

Compacto Duplo – Lado B: Abre Alas (Chiquinha Gonzaga) versão Antônio Adolfo

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

LogEntry – I Dig it 062b :: Mais informações e LINKS

I Dig it 062a (Parte 1)

Hoje tem Podcast Impressões Digitais em sua versão Compacto Duplo, edição nº 62a

Compacto Duplo – Lado A: Norma Sinfonia (Vincenzo Salvatore Carmelo Francesco Bellini)

Homo sapiens: Capítulo 5 / 7 (Parte 1)  das estórias da História do Brasil – 1800-1900

Background: séc XV:  Mandadei (anonimo) /Martin Codax, Islamic Chant (Al Quram);  Early church music of Byzantine, Bulgaria, Georgia; séc  XVI: Diferencias sobre la Gallarda Milanesa (A. de Cabezon)/Simone Stella; séc  XVII: The Italian Rant (anonimo); séc XVIII: Armide (Jean Baptiste)

Compacto Duplo – Lado B: Quintet In A Major, Opus 114, D667 ‘The Trout’ (Franz Schubert)

email: idigitais@gmail.com – twitter: @idigitais_REAL

I LogEntry – I Dig it 062a:: Mais informações e LINKS